sicnot

Perfil

País

Ordem dos veterinários diz que há falta vontade política para acabar com o abandono de animais

O bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários acusou esta sexta-feira os políticos de terem pouca vontade de resolver o problema do abandono dos animais e de não estarem criadas facilidades, ao nível autárquico e nacional, para as pessoas os terem.

"Portugal é um país com bastantes dificuldades para quem tem animais de companhia: não podem entrar em transportes e espaços públicos, como restaurantes, ou hotéis", disse Jorge Cid.

A propósito do Dia Internacional do Animal Abandonado, que se assinala sábado, o veterinário alertou ainda para "a falta de sensibilidade, por parte das autarquias, na urbanização".

"Cada vez se fazem mais urbanizações e com cada vez menos espaços verdes para as pessoas e também para os animais", adiantou.

Jorge Cid considera que "não há vontade política no país para resolver o problema", afirmando que "não são criadas facilidades para a pessoa ter um animal de companhia".

Outro aspeto que dificulta a vida aos detentores de animais de companhia é, segundo o bastonário, o IVA (23 por cento) que é aplicado na alimentação e cuidados médicos aos animais, que "não faz sentido".

"Tudo é contra o animal de companhia", afirmou, concluindo que "não são criadas facilidades ao nível autárquico e nacional para facilitar a detenção de animais de companhia".

Sobre a criminalização dos maus tratos dos animais, o bastonário defendeu "bom senso" na sua aplicação.

"Uma pessoa que está no interior do país e que tem um animal preso, se calhar não sabe que isso é mau trato. É preciso elucidar as pessoas", disse.

Jorge Cid sublinhou que Portugal "ainda é um país de grandes diferenças culturais. Tudo requer muito tempo e muita pedagogia".

"Primeiro tem que se informar, educar, para depois penalizar", afirmou.

A questão do abandono dos animais preocupa a Ordem dos Médicos Veterinários.

"Sentimos mais na pele e somos parte integrante da resolução dessa problemática", disse, considerando que ainda "continua a haver muitos animais abandonados".

Segundo a Ordem, que cita dados da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), em 2015 os canis municipais nacionais recolheram 30.192 animais (23.706 cães e 6 486 gatos).

Destes, 12.073 acabaram por ser abatidos, 2.128 voltaram aos donos e 12.567 foram adotados.

Lusa

  • Aprovada criminalização dos maus tratos contra animais

    País

    O Parlamento aprovou hoje a criminalização dos maus-tratos contra animais, com os votos favoráveis do PSD, PS, PEV, BE e do CDS-PP, bancada que registou dois votos contra e duas abstenções. Agredir um animal pode dar pena de prisão de um ano. O abandono é punido com pena de prisão até seis meses ou com pena de multa até 120 dias. De fora do diploma, devido a uma alteração introduzida pelo CDS, ficam os animais da agropecuária, das touradas e do circo.

  • Marcelo condecora hoje Francisco Sá Carneiro a título póstumo
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar hoje Francisco Sá Carneiro, a título póstumo. A cerimónia será incluída nas celebrações do 25 de Abril. Também a título póstumo, o Presidente da República vai ainda homenagear o antigo bispo do Porto D. António Ferreira Gomes. As condecorações têm lugar esta tarde no Palácio de Belém para onde já estava marcada a condecoração do arquiteto Siza Vieira. Todos, diz Marcelo, são figuras ligadas à liberdade e democracia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.