sicnot

Perfil

País

Mais de 400 bombeiros combatem fogos em Sardoal e Abrantes

Dois incêndios estavam a ser combatidos ao início da noite por mais de 400 bombeiros no distrito de Santarém, um em Abrantes e outro em Sardoal, com o fogo a ameaçar algumas aldeias.

Em declarações à Lusa, o comandante Paulo Cardoso, do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, disse que os operacionais no terreno têm estado a "concentrar a sua ação na defesa de pessoas e habitações", tanto em Abrantes como em Sardoal.

Referiu também que os dois incêndios "estão separados por cerca de dois quilómetros e lavram em zona de floresta mas com alguns aglomerados populacionais de pequenas aldeias".

Segundo Paulo Cardoso, "não há registo de habitações queimadas mas sim de alguns anexos agrícolas e quintais com lenha", tendo acrescentado que "apenas um bombeiro teve um ferimento ligeiro" e que "continua no terreno".

Com o cair da noite, observou, os meios aéreos desmobilizaram, cerca das 20:30, altura em que o combate "começou a ser dividido entre a parte florestal e a defesa de pessoas e bens".

Paulo Cardoso disse ainda que estão mais reforços "em trânsito" para Andreus, em Sardoal, cujo incêndio começou às 18:38 e mantinha duas frentes ativas duas horas depois, com equipas de Lisboa e Santarém do Grupo de Reforço para Incêndios Florestais (GRIF), o que "vai implicar um reforço de 68 homens no terreno".

Em Sardoal estavam, às 20:30, 79 operacionais apoiados por 24 viaturas.

O "vento forte e as condições do terreno" foram as duas principais dificuldades apontadas pelo responsável do CDOS nos dois locais.

O incêndio de maiores dimensões, que mantinha três frentes ativas às 20:30, lavra desde as 15h51 na freguesia de Fontes, concelho de Abrantes.

Este fogo, que deflagrou em zona florestal, estava a ser combatido às 20:30 por 350 bombeiros, apoiados por 109 viaturas.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.