sicnot

Perfil

País

Mais de 400 bombeiros combatem fogos em Sardoal e Abrantes

Dois incêndios estavam a ser combatidos ao início da noite por mais de 400 bombeiros no distrito de Santarém, um em Abrantes e outro em Sardoal, com o fogo a ameaçar algumas aldeias.

Em declarações à Lusa, o comandante Paulo Cardoso, do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, disse que os operacionais no terreno têm estado a "concentrar a sua ação na defesa de pessoas e habitações", tanto em Abrantes como em Sardoal.

Referiu também que os dois incêndios "estão separados por cerca de dois quilómetros e lavram em zona de floresta mas com alguns aglomerados populacionais de pequenas aldeias".

Segundo Paulo Cardoso, "não há registo de habitações queimadas mas sim de alguns anexos agrícolas e quintais com lenha", tendo acrescentado que "apenas um bombeiro teve um ferimento ligeiro" e que "continua no terreno".

Com o cair da noite, observou, os meios aéreos desmobilizaram, cerca das 20:30, altura em que o combate "começou a ser dividido entre a parte florestal e a defesa de pessoas e bens".

Paulo Cardoso disse ainda que estão mais reforços "em trânsito" para Andreus, em Sardoal, cujo incêndio começou às 18:38 e mantinha duas frentes ativas duas horas depois, com equipas de Lisboa e Santarém do Grupo de Reforço para Incêndios Florestais (GRIF), o que "vai implicar um reforço de 68 homens no terreno".

Em Sardoal estavam, às 20:30, 79 operacionais apoiados por 24 viaturas.

O "vento forte e as condições do terreno" foram as duas principais dificuldades apontadas pelo responsável do CDOS nos dois locais.

O incêndio de maiores dimensões, que mantinha três frentes ativas às 20:30, lavra desde as 15h51 na freguesia de Fontes, concelho de Abrantes.

Este fogo, que deflagrou em zona florestal, estava a ser combatido às 20:30 por 350 bombeiros, apoiados por 109 viaturas.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.