sicnot

Perfil

País

Governo português condena lançamento de míssil balístico pela Coreia do Norte

O governo português condenou esta sexta-feira o lançamento de um míssil balístico realizado esta semana pelo regime da Coreia do Norte, frisando que tal manobra constitui "mais uma violação" das normas internacionais e agrava as tensões já existentes naquela região.

"O governo português condena o lançamento de um míssil balístico a partir de um submarino, realizado pela República Popular Democrática da Coreia, que constitui mais uma violação das obrigações internacionais definidas em diversas resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e agrava as tensões já existentes na Península Coreana", referiu um comunicado divulgado hoje pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros português.

Na mesma nota, a diplomacia portuguesa apela ao fim de tais ações que "podem prejudicar a paz e a estabilidade regionais", bem como exorta o regime de Pyongyang "a retomar o diálogo com a comunidade internacional".

A agência de notícias sul-coreana Yonhap informou esta semana que Pyongyang tinha disparado um míssil balístico, a partir de um submarino, que conseguiu percorrer cerca de 500 quilómetros em direção do Japão.

Para os especialistas, tal manobra representa um claro avanço dos programas balísticos norte-coreanos.

Na quinta-feira, a Coreia do Norte qualificou como "um grande sucesso" o lançamento deste míssil balístico, com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, a afirmar que Pyongyang passou a integrar "a primeira linha das potências militares totalmente equipadas com a capacidade de realizar ataques nucleares".

O lançamento norte-coreano está a ser encarado como uma resposta ao exercício militar de grande escala Ulchi Freedom Guardian que os Estados Unidos e a Coreia do Sul iniciaram na segunda-feira com a participação de 25.000 soldados norte-americanos e 50.000 sul-coreanos.

A Coreia do Norte, que sempre encarou estes exercícios conjuntos como um ensaio para a invasão do país, ameaçou com "um ataque nuclear preventivo".

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.