sicnot

Perfil

País

Governo português condena lançamento de míssil balístico pela Coreia do Norte

O governo português condenou esta sexta-feira o lançamento de um míssil balístico realizado esta semana pelo regime da Coreia do Norte, frisando que tal manobra constitui "mais uma violação" das normas internacionais e agrava as tensões já existentes naquela região.

"O governo português condena o lançamento de um míssil balístico a partir de um submarino, realizado pela República Popular Democrática da Coreia, que constitui mais uma violação das obrigações internacionais definidas em diversas resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e agrava as tensões já existentes na Península Coreana", referiu um comunicado divulgado hoje pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros português.

Na mesma nota, a diplomacia portuguesa apela ao fim de tais ações que "podem prejudicar a paz e a estabilidade regionais", bem como exorta o regime de Pyongyang "a retomar o diálogo com a comunidade internacional".

A agência de notícias sul-coreana Yonhap informou esta semana que Pyongyang tinha disparado um míssil balístico, a partir de um submarino, que conseguiu percorrer cerca de 500 quilómetros em direção do Japão.

Para os especialistas, tal manobra representa um claro avanço dos programas balísticos norte-coreanos.

Na quinta-feira, a Coreia do Norte qualificou como "um grande sucesso" o lançamento deste míssil balístico, com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, a afirmar que Pyongyang passou a integrar "a primeira linha das potências militares totalmente equipadas com a capacidade de realizar ataques nucleares".

O lançamento norte-coreano está a ser encarado como uma resposta ao exercício militar de grande escala Ulchi Freedom Guardian que os Estados Unidos e a Coreia do Sul iniciaram na segunda-feira com a participação de 25.000 soldados norte-americanos e 50.000 sul-coreanos.

A Coreia do Norte, que sempre encarou estes exercícios conjuntos como um ensaio para a invasão do país, ameaçou com "um ataque nuclear preventivo".

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.