sicnot

Perfil

País

Governo português condena lançamento de míssil balístico pela Coreia do Norte

O governo português condenou esta sexta-feira o lançamento de um míssil balístico realizado esta semana pelo regime da Coreia do Norte, frisando que tal manobra constitui "mais uma violação" das normas internacionais e agrava as tensões já existentes naquela região.

"O governo português condena o lançamento de um míssil balístico a partir de um submarino, realizado pela República Popular Democrática da Coreia, que constitui mais uma violação das obrigações internacionais definidas em diversas resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e agrava as tensões já existentes na Península Coreana", referiu um comunicado divulgado hoje pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros português.

Na mesma nota, a diplomacia portuguesa apela ao fim de tais ações que "podem prejudicar a paz e a estabilidade regionais", bem como exorta o regime de Pyongyang "a retomar o diálogo com a comunidade internacional".

A agência de notícias sul-coreana Yonhap informou esta semana que Pyongyang tinha disparado um míssil balístico, a partir de um submarino, que conseguiu percorrer cerca de 500 quilómetros em direção do Japão.

Para os especialistas, tal manobra representa um claro avanço dos programas balísticos norte-coreanos.

Na quinta-feira, a Coreia do Norte qualificou como "um grande sucesso" o lançamento deste míssil balístico, com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, a afirmar que Pyongyang passou a integrar "a primeira linha das potências militares totalmente equipadas com a capacidade de realizar ataques nucleares".

O lançamento norte-coreano está a ser encarado como uma resposta ao exercício militar de grande escala Ulchi Freedom Guardian que os Estados Unidos e a Coreia do Sul iniciaram na segunda-feira com a participação de 25.000 soldados norte-americanos e 50.000 sul-coreanos.

A Coreia do Norte, que sempre encarou estes exercícios conjuntos como um ensaio para a invasão do país, ameaçou com "um ataque nuclear preventivo".

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.