sicnot

Perfil

País

Madeira transforma património em apartamentos para desalojados dos incêndios

​O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, anunciou hoje que vai transformar um prédio urbano do executivo regional em apartamentos para realojar famílias afetadas pelos incêndios que afetaram o arquipélago na segunda semana de agosto.

Miguel Albuquerque fez este anúncio durante uma visita ao imóvel localizado na Boa Nova, na freguesia de Santa Maria Maior, no Funchal, que será adaptado para dar lugar a seis apartamentos, três de tipologia T0 e três T1.

Na ocasião, Miguel Albuquerque manifestou a sua satisfação pela forma como decorreu a segunda reunião de coordenação entre o Governo da República e o Governo Regional ocorrida na sexta-feira no Funchal.

Na ocasião, foi dado a conhecer que a região precisa de 157 milhões de euros para fazer face às consequências dos incêndios que afetaram a Ponta do Sol, Calheta, Santa Cruz e, particularmente, o Funchal, onde morreram três pessoas.

Nessa reunião, os governos deram também a conhecer que a região já conseguiu financiamento para 62,5 milhões de euros dos 157 milhões que precisa.

"Acho que a reunião correu bem mas ainda há coisas a serem resolvidas", disse, numa alusão à criação de um "pacote de exceção" para "aligeirar procedimentos".

O novo conjunto habitacional, que será lançado em janeiro para estar concluído no verão do próximo ano, representa um investimento do Governo Regional de 180 mil euros.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.