sicnot

Perfil

País

Veleiro alemão desencalhado e rebocado para Peniche

​O veleiro "Tabaluga", que se encontrava encalhado na Praia da Alfarroba, foi rebocado hoje para o porto de Peniche, onde vai ficar ancorado.

"As manobras de remoção iniciaram-se às 23:00 de ontem [sexta-feira], com máquinas de empresas locais a fazerem remoção de areia, depois da preia-mar, para que na subida da maré pudesse entrar agua e a embarcação fosse rebocada", explicou à agência Lusa o Capitão do Porto de Peniche, Marco Serrano Augusto.

Depois de aproado ao mar o veleiro, com cerca de 15 metros e bandeira alemã, começou, às 09:30 a ser rebocado para o Porto de Peniche, onde o rebocador "Tinita" o deixou uma hora depois.

De acordo com o Capitão do Porto, o veleiro "vai ser sujeito a nova verificação da sua integridade" para que o seu tripulante, um homem de 72 anos, de nacionalidade alemã, "possa voltar a navegar".

O veleiro "Tabaluga" encalhou na manhã de sexta-feira na areia, a norte da praia da Alfarroba, na Baía de Peniche, tendo sido auxiliado por meios da Estação Salva-vidas do ISN de Peniche, o piquete do comando-local da Polícia Marítima de Peniche e os Bombeiros Voluntários de Peniche.

O velejador alemão abandonou pelos próprios meios a embarcação, com auxílio do pessoal do ISN e alguns surfistas, tendo sido assistido na praia pelos bombeiros e transportado para o hospital de Peniche, "bem de saúde, apenas com alguns sinais de hipotermia", afirmou na altura o comandante da capitania.

Segundo a capitania a estanquidade da embarcação esteve sempre está garantida, não tendo existido perigo de poluição ou riscos para a navegação de outras embarcações.

As causas do acidente estão ainda a ser apuradas.

Lusa

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.