sicnot

Perfil

País

Mais de sete mil professores colocados

O concurso de professores de 2016 colocou 7.306 docentes nas escolas em contratação inicial e mobilidade interna, de acordo com os dados divulgados esta terça-feira pelo Ministério da Educação, um acréscimo de cerca de 500 professores em comparação com o ano anterior.

De acordo com o comunicado hoje divulgado pelo Ministério da Educação (ME), os 7.306 professores colocados neste concurso representam um acréscimo de cerca de 500 docentes face ao ano anterior.

O concurso de mobilidade interna permite aos professores dos quadros mudar de escola ou agrupamento com o objetivo de se aproximarem da sua residência, por exemplo. A contratação inicial acontece todos os anos no final de agosto para preencher os horários indicados pelas escolas e que correspondem a necessidades transitórias.

"No ano passado foram contratados 3.782 professores em contratação inicial e 3.030 em Bolsa de Contratação de Escolas (BCE), procedimento que correu após a contratação inicial. Isto significa que, nesta fase, estão colocados mais 3.524 professores contratados do que no mesmo momento do ano anterior -- ou seja, no penúltimo dia útil do mês de agosto", refere o comunicado da tutela.

A BCE, um concurso de colocação de professores específico para escolas com contrato de autonomia ou classificadas como Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP), foi extinta pelo ministério tutelado por Tiago Brandão Rodrigues, poucos meses depois de o Governo tomar posse, considerando-o "um modelo que claramente não funcionou".

No primeiro ano de aplicação da BCE, criada pelo ex-ministro da Educação Nuno Crato, este concurso causou o atraso de meses na colocação de professores, havendo escolas onde, no final do primeiro período, havia ainda turmas sem professor a algumas disciplinas.

Em janeiro, o Governo tinha adiantado no parlamento que pretendia antecipar em duas semanas a validação das turmas com o objetivo de colocar os professores mais cedo nas escolas, mas a divulgação das listas acontece na mesma altura que em 2015.

"As listas foram divulgadas no penúltimo dia útil do mês de agosto, tal como aconteceu em 2015-2016, ficando, na realidade, os professores colocados mais cedo, uma vez que não estão sujeitos aos procedimentos morosos e burocráticos da BCE", refere o ME, no comunicado.

A tutela afirma ainda que, no que diz respeito a horários completos, "todos os horários solicitados pelas escolas foram já preenchidos pelos professores colocados nesta fase, de acordo com as preferências manifestadas pelos mesmos" e que estão "reunidas todas as condições para um regular início do ano letivo".

Em resposta à Lusa, o ME indicou, no entanto, que estão ainda por preencher cerca de 150 horários inferiores a oito horas, os quais serão ocupados em contratação de escola.

Lusa

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01