sicnot

Perfil

País

O tempo para hoje

O tempo para hoje

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade no litoral a norte do Cabo Raso, até meio da manhã. Durante a tarde, aumento de nebulosidade nas regiões do interior, com possibilidade de ocorrência de aguaceiros.

O vento será fraco, soprando moderado de noroeste no litoral oeste, em especial a sul do Cabo Carvoeiro e durante a tarde, e moderado a forte de nordeste nas terras altas até meio da manhã.

O instituto prevê ainda uma pequena subida da temperatura máxima para hoje.

Para os Açores, e para a generalidade das nove ilhas, o IPMA prevê períodos de céu muito nublado com abertas e aguaceiros fracos.

Já para a Madeira, o IPMA prevê períodos de céu muito nublado, apresentando-se em geral pouco nublado nas vertentes sul da ilha da Madeira, com possibilidade de ocorrência de aguaceiros fracos até ao final da manhã nas vertentes norte da ilha da Madeira, além de uma pequena descida da temperatura máxima.

Segundo o IPMA as temperaturas máximas vão hoje atingir os 36 graus Celsius em Évora e Santarém; os 35 em Beja, Braga e Castelo Branco; 34 em Portalegre e Viseu; 33 em Vila Real; 32 em Faro, Bragança e Lisboa; 29 no Porto; 27 em Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Santa Cruz; e 26 no Funchal.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.