sicnot

Perfil

País

Onze pessoas morreram nas praias marítimas e fluviais entre maio e agosto

A Autoridade Marítima Nacional referiu esta quarta-feira, em comunicado, que morreram 11 pessoas nas praias marítimas e fluviais vigiadas e não vigiadas entre 01 de maio e 31 de agosto.

Segundo o comunicado, nas praias marítimas vigiadas de jurisdição marítima morreram três pessoas de nacionalidade portuguesa, uma por afogamento e duas por morte súbita.

Nas zonas marítimas não vigiadas de jurisdição marítima, morreram cinco pessoas, todas por afogamento, três de nacionalidade portuguesa, uma francesa e outra suíça.

Uma pessoa, de nacionalidade portuguesa, morreu numa praia fluvial vigiada, enquanto outras duas, também portuguesas, morreram em praias fluviais não vigiadas.

Durante aquele período, nas praias vigiadas e com planos integrados implementados, os nadadores-salvadores fizeram 1073 intervenções e também 29 buscas "com sucesso" a crianças perdidas na praia, acrescenta o comunicado.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.