sicnot

Perfil

País

Juiz condenado por falsificar Estado de processos para aumentar produtividade

Juiz condenado por falsificar Estado de processos para aumentar produtividade

Um antigo juiz do Tribunal Administrativo de Mirandela foi condenado a dois anos e 11 meses de prisão suspensa, pelos crimes de falsidade informática e abuso de poder. O magistrado dava como concluídos processos que ainda não tinham sentença, de modo a aumentar artificialmente a sua produtividade. O ex-juiz esteve também acusado de violência doméstica, mas foi absolvido.

  • Antigo juiz do Tribunal Administrativo de Mirandela no banco dos réus
    1:38

    País

    Começou hoje a ser julgado um antigo juiz-presidente do Tribunal Administrativo de Mirandela suspeito de adulteração informática de dezenas de processos. De acordo com a acusação, o magistrado terá classificado como concluídos processos de que ainda não havia sentença para viciar estatísticas e aumentar artificialmente a sua produtividade. O magistrado está também acusado do crime de violência doméstica contra a ex-companheira.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".