sicnot

Perfil

País

Brasil vai cooperar na investigação do suspeito de matar três brasileiras em Portugal

A polícia brasileira vai formalizar um pedido de cooperação internacional para obter provas recolhidas pela polícia judiciária portuguesa sobre o homicídio de três jovens brasileiras, em fevereiro, em Cascais.

A informação foi dada esta terça-feira à Lusa por Roberto Câmara, delegado da repartição de Defesa Institucional do Estado de Minas Gerais, responsável pelas investigações do caso no Brasil.

O suspeito de ter matado as três brasileiras em Portugal foi preso ontem em Minas Gerais, mas quando questionado sobre a confirmação de sua identidade o delegado informou que não pode identificá-lo nominalmente já que o processo corre em segredo de Justiça.

É conhecido, porém, que o suspeito seria Dinai Alves Gomes, um jovem com quem uma das vítimas mantinha uma relação conjugal, e que chegou a trabalhar no hotel de animais onde os corpos foram encontrados.

Sobre a possibilidade de extradição do suspeito para Portugal, Roberto Câmara explicou que isto não deve acontecer já que a Constituição do Brasil proíbe a extradição de cidadão para o exterior.

"Como o suspeito está no Brasil, ele deverá ser processado e julgado no país. Caso seja condenado poderá pegar uma pena de até 99 anos, que corresponderia as três penas máximas somadas dos crimes de homicídio e de ocultação de cadáver", frisou o delegado.

Com prisão preventiva por 30 já decretada e executada, o suspeito está na Penitenciária Nelson Hungria, em Minas Gerais, onde permanecerá à disposição da Justiça.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.