sicnot

Perfil

País

127.º curso de Comandos mantém-se, próximos estão suspensos, esclarece Exército

O Exército esclareceu hoje que o 127.º curso dos Comandos vai manter-se de forma "controlada e adaptada", sublinhado que os próximos cursos é que vão ser suspensos até conclusão dos inquéritos em curso.


"O despacho do Chefe de Estado-maior do Exército foi para a suspensão dos próximos cursos de Comandos, ou seja, a intenção do Exército é que este curso, o 127.º, termine de forma controlada e adaptada como foi tem sido feito até agora", explicou à Lusa o porta-voz do Exército, o tenente-coronel Vicente Pereira.

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, anunciou hoje que os cursos de Comandos do Exército vão ficar suspensos até ao final do inquérito à morte de um militar no domingo, disse à Lusa fonte do ministério.

De acordo com o porta-voz, a competência para a suspensão do curso pertence ao Chefe de Estado-maior do Exército, cujas decisões têm sido "coordenadas e acertadas" com o gabinete do ministro da Defesa Nacional.

Segundo Vicente Pereira, os próximos cursos de Comandos estão suspensos já que o Chefe de Estado-maior do Exército pretende "aguardar as conclusões dos inquéritos que estão a decorrer, analisá-las e verificar se há necessidade de proceder a alguma alteração nos próximos".

"Só depois da análise feita é que se determinará o passo seguinte a dar", sublinhou o responsável.

O 127.º curso de Comandos tem a duração de 12 semanas, que decorrem em setembro, outubro e novembro, tendo começado com 67 formandos, dos quais três oficiais, 10 sargentos e 57 soldados.

Segundo Vicente Pereira a Inspeção técnica extraordinária hoje anunciada pelo ministro da Defesa Nacional é um processo interno do Exército conduzido pela Inspeção-geral do Exército.

Na sequência de um treino dos Comandos, um militar morreu devido a "um golpe de calor" e diversos outros receberam assistência hospitalar, estando ainda internados cinco: um no Curry Cabral, três no Hospital das Forças Armadas e outro no Hospital da Cruz Vermelha.

Azeredo Lopes tinha já tinha admitido à Lusa a possibilidade de intervir após a conclusão das duas investigações que decorrem à morte de um militar num curso de Comandos.

Além do inquérito instaurado pelo chefe do Estado-Maior do Exército, a Procuradoria-Geral da República também abriu uma investigação.


Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08