sicnot

Perfil

País

CDS e PSD lamentam ausência de Centeno no debate na AR

Os grupos parlamentares do CDS e do PSD criticaram esta quinta-feira que o ministro das Finanças, Mário Centeno, tenha delegado no secretário de Estado Mourinho Félix a participação no debate sobre a CGD na comissão permanente da Assembleia da República.

Primeiro foi o deputado do CDS Nuno Magalhães a puxar o assunto, logo no arranque do debate sobre o banco público, tendo depois Luís Montenegro, deputado do PSD, corroborado a posição manifestada pelo deputado centrista.

Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, respondeu em nome do Governo, sublinhando que o que foi solicitado pelo CDS foi a presença do Governo neste debate, e não do ministro, e que tal nunca foi acordado.

"Não foi isso que transmiti na conferência de líderes, nem foi isso que o CDS solicitou. O CDS pediu a presença do Governo. Não há figuras menores no Governo. O Governo decidiu que quem representaria o Governo era o secretário de Estado do Tesouro e das Finanças", destacou.

E acrescentou: "Quem define quem fala pelo Governo, é o Governo".

Lusa

  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.