sicnot

Perfil

País

Guardas florestais manifestam-se contra o fim da carreira

© Lusa

Os guardas-florestais pediram hoje ao Governo para não acabar com a carreira, e que atribua os suplementos a quem têm direito, tendo em conta que estão integrados na GNR e fazem trabalho em conjunto.

Cerca de uma centena de guardas-florestais manifestaram-se esta quarta-feira em Lisboa, entre o Largo do Carmo, onde se situa o comando geral da GNR, e o Ministério da Administração Interna, num protesto promovido pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores das Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS).

Os guardas florestais, que anteriormente pertenciam ao Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), estão há dez anos integrados no Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR e, na altura, ficou decidido que a carreira ficava extinta, quando todos os seus elementos se aposentassem.

"Se não for emendada esta decisão de a carreira extinguir-se quando vagar, quando o último guarda-florestal se aposentar a carreira desaparece e será possivelmente a GNR que irá desenvolver as atividades que são dos guardas-florestais", disse à agência Lusa Luís Pesca, dirigente da (FNSTFPS).

Luís Pesca considerou "um erro" a decisão de há dez anos, quando António Costa era ministro da Administração Interna

"Não está bem entendido na cabeça dos nossos governantes a importância dos guardas-florestais, na prevenção e fiscalização dos fogos florestais, no cálculo das áreas ardidas, na fiscalização da caça e pesca", disse, adiantando que estes profissionais querem também ser equiparados a outras forças policiais, recebendo suplementos idênticos.

Segundo Luís Pesca, existem equipas mistas no SEPNA da GNR compostas por elementos dos guardas florestais e por militares daquela corporação, mas a diferença salarial chega quase aos 400 euros.

"Isto tem de ser corrigido rapidamente. A GNR tem os seus suplementos enquanto força policial, de que os civis não podem usufruir, por isso há necessidade de negociar um estatuto de suplementos específicos para a função de guarda-florestal", sustentou.

Guarda-florestal há 29 anos, Martinho Gonçalves disse à Lusa que há "uma certa desmotivação" na classe, sublinhando que exercem funções idênticas aos elementos do SEPNA da GNR, mas não recebem qualquer suplemento.

Martinho Gonçalves adiantou que chegaram a existir em Portugal 1.200 guardas-florestais e que atualmente não passam dos 317. O guarda-florestal em Elvas afirmou que há elementos que ainda falta 30 anos de serviço.

No final da manifestação, a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores das Funções Públicas e Sociais entregou uma moção no Ministério da Administração Interna.

Lusa

  • A Catalunha "está farta da prepotência e dos abusos do governo"
    0:30
  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • Uber perde licença para operar em Londres

    Economia

    O regulador de transporte de Londres decidiu hoje que vai retirar à Uber a licença para operar na capital britânica. A proibição entra em vigor no final deste mês e vai afetar 40 mil motoristas da empresa multinacional norte-americana.

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Família Portugal Ramos
    15:01