sicnot

Perfil

País

Ministro da Defesa marca "regresso" de Portugal às missões de paz

Portugal vai reiterar, numa reunião ministerial de Defesa em Londres, o "regresso" de Portugal às missões de paz internacionais no âmbito das Nações Unidas, afirmou o ministro da tutela, José Azeredo Lopes, à agência Lusa.

O Ministro da Defesa português chegou na quarta-feira à capital britânica para participar na reunião Ministerial de Defesa dedicada às operações de manutenção de paz das Nações Unidas, onde estarão representados mais de 70 países e organizações internacionais.

A sua presença, declarou na quarta-feira à agência Lusa, é a confirmação de uma "linha importante da política externa portuguesa deste governo, que resulta numa revalorização do papel das Nações Unidas. É um regresso às Nações Unidas num contexto de qualificação e num contexto geográfico que é inovador".

O ministro referia-se à participação portuguesa na missão da ONU na República Centro-Africana com cerca de 160 militares, que terá um investimento a rondar os seis milhões de euros por ano, valor que consumirá uma grande parte do orçamento para as Forças Nacionais Destacadas (FND) para 2017, mesmo que este, como deseja, venha a crescer.

"Consideramos que o reforço orçamental das Forças Nacionais Destacadas (FND), mesmo que seja retirado de outros setores da Defesa Nacional, tem vantagens que são facilmente comprovadas", vincou, referindo a internacionalização e os benefícios da colaboração com outras forças com melhor equipamento e maior experiência internacional.

"Através de um investimento relativamente razoável, qualificarmos e capacitarmos as nossas forças armadas e garantir-lhes um papel: ser um instrumento dos mais prestigiados das relações externas portuguesas", enfatizou Azeredo Lopes.

O ministro considera que "o comportamento errático e a pouca consistência política" do anterior governo só resultou numa "diminuição da capacidade de representação e de projeção" das forças armadas portuguesas através das FNB, seja em missões da ONU ou da Nato.

Depois de uma receção e jantar na quarta-feira, os trabalhos da reunião prosseguem hoje com várias alocuções, nomeadamente do ministro anfitrião, o britânico Michael Fallon.

Azeredo Lopes fará uma intervenção de 15 minutos numa sessão plenária de manhã que se vai centrar na discussão do pré e pós-destacamento das operações de manutenção de paz.

Em particular, segundo o gabinete do ministro, "será abordada a preparação e o treino das forças e a sua adaptação às especificidades de cada teatro operacional, a responsabilização crescente das lideranças e as 'lições aprendidas' quanto à coordenação com organizações regionais, atores locais e no tocante à proteção de civis".

A reunião Ministerial de Defesa, que pretende refletir sobre as operações de manutenção de paz das Nações Unidas e as formas de melhorar o seu funcionamento e desempenho, pretende dar seguimento à Cimeira de Líderes dedicada à manutenção da paz, realizada nos Estados Unidos em setembro de 2015.

Além de fazer um balanço do que foi realizado desde a Cimeira de Líderes, esta conferência quer reforçar as promessas feitas no ano passado, melhorar o planeamento das operações de manutenção da paz e melhorar o desempenho em termos de qualidade dos militares envolvidos.

O evento fechará hoje à tarde, cerca das 16:00 horas, com a divulgação de uma declaração final, que deverá ser assinada pela maioria dos governos presentes.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.