sicnot

Perfil

País

Uber pode ser "um risco" para o público por não cumprir exigências

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) considerou num parecer que os serviços prestados pela nova plataforma de mobilidade Uber podem ser "um risco" para o público por não cumprirem as mesmas exigências do que os taxistas.

"Quem utiliza este serviço não sabe a quem pertence aquele veículo, nem que o condutor não está habilitado com carteira profissional para o efeito, nem sabe que o seu transporte não está abrangido por nenhum seguro, em caso de acidente", afirmou aquela entidade.

A posição da AMT consta de um parecer pedido pela Assembleia da República sobre as condições de transporte coletivo de passageiros e o serviço prestado pela Uber a que a Lusa teve hoje acesso.

Pode ler-se ainda no parecer, datado de 2 de setembro, que em caso de acidente ou crime em que o passageiro seja afetado "não é fácil identificar o responsável pela reparação do dano ou que responda pelo crime praticado, tendo até em atenção que a Uber, afinal, alega que quem presta o serviço é a empresa local - que o utilizador de todo desconhece".

"Assim sendo, os acordos de transporte, quer com veículos e motoristas não devidamente habilitados, quer com passageiros não protegidos, prejudicam diariamente, a cada contrato e serviço, o público em geral", acrescenta a AMT.

No documento, aquela Autoridade considera também que as novas plataformas de mobilidade "não protegem adequadamente" quem trabalha para elas porque não têm horários definidos, enquadramento em categorias profissionais concretas, direito a férias remuneradas, segurança e saúde no trabalho e mesmo a proteção social.

Afirmando que aquelas plataformas criaram especificidades que "não são subsumíveis às tradicionais relações laborais", a AMT diz ainda que "este fenómeno irá inevitavelmente colocar desafios relativos ao modo como interpretamos o Direito do Trabalho e as relações entre estas empresas e os seus trabalhadores/colaboradores".

A Autoridade defende no parecer que, sendo "possível e viável a legalização" da Uber, deve ser avaliada a necessidade de um "escrutínio mais apertado" aos contratos celebrados com os parceiros, na promoção e defesa da concorrência e na defesa do cidadão.

Quanto às empresas de táxi, a AMT considera que, com estas novas plataformas, ficam "obrigadas" a modernizar-se e a basear a sua competitividade nas plataformas existentes no mercado e não "no protecionismo resultante da hiper-regulamentação clássica" que "carece de uma revisão profunda".

Frisando estar "aberta a apoiar soluções baseadas em inovações tecnológicas", a Autoridade defendeu que devem continuar a ser garantidos os "princípios legais da concorrência, transparência e não discriminação" e que tanto as novas empresas como as dos táxis devem criar modelos de negócio competitivos.

A Uber e a Cabify são plataformas online que permitem pedir carros de transporte de passageiros, com uma aplicação para 'smartphones' que liga quem se quer deslocar a operadores de transporte.

A sua instalação em Portugal tem sido muito contestada pelos taxistas, tal como noutros países, tendo já havido registo de situações de confronto e agressões entre os profissionais.

Os taxistas, através das suas associações sócio-profissionais, reclamam sofrer de concorrência desleal em virtude do quadro legislativo existente que obriga a determinados preceitos financeiros e de segurança (licenças, seguros, entre outros) para poderem exercer a sua atividade.

Em abril, milhares de taxistas protestaram em Lisboa, no Porto e em Faro.

Uma nova manifestação foi marcada para 10 de outubro.

Lusa

  • Encontrado corpo da criança que desapareceu na praia de São Torpes
    0:55

    País

    O corpo da criança que tinha desaparecido na praia São Torpes, concelho de Sines, foi encontrado esta manhã fora de água, nas rochas, a 1,5 quilómetros do sítio onde tinha desaparecido, no passado dia 21. O alerta foi dado por um popular à Polícia Marítima, cerca das 8h00.

  • Não há aumentos salariais no Estado para o ano
    1:18

    Economia

    O ministro das Finanças confirma a alteração dos escalões de IRS em 2018. É uma das medidas prioritárias para o próximo ano, a par do descongelamento das carreiras na função pública. Numa entrevista à Antena 1, Mário Centeno admite que não vai haver aumentos salariais no Estado no próximo ano

  • Obrigada a vir dos EUA, de 3 em 3 semanas, para ver o filho
    2:00
  • Marcelo diz que Europa não deve contar com benevolência dos aliados 
    1:19

    País

    O Presidente da República concorda com Angela Merkel, que este domingo defendeu que a Europa já não pode confiar a 100% nos países aliados. Numa conferência sobre o futuro da Europa, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que a União Europeia tem de assumir responsabilidades e protagonismo e não pode contar com a iniciativa e a benevolência dos aliados.

  • Merkel sugere que a Europa já não pode contar com aliados como os EUA
    1:45

    Mundo

    Depois das cimeiras do G7 e da NATO,e sem nunca mencionar Donald Trump, a chanceler alemã diz que é tempo de cada país tomar conta do próprio destino. As declarações de Angela Merkel foram feitas em Munique numa ação de campanha da CDU e evidenciam incómodo em relação às posições manifestadas pelos EUA.

  • Bombeiro alvejado durante assalto em Buenos Aires
    1:07

    Mundo

    A polícia argentina está a investigar o assalto e a agressão a tiro a um bombeiro em Buenos Aires. O homem de 30 anos foi atacado por três jovens, o momento foi captado pelas câmaras de videovigilância. As imagens mostram o exato momento em que o bombeiro foi atacado pelo grupo, perto de um quiosque de alimentação automático. De acordo com as informações disponíveis, a vítima terá sido alvejada seis vezes.