sicnot

Perfil

País

GNR reforça fiscalização ao uso do cinto de segurança

A GNR indicou esta segunda que reforça, até domingo, a fiscalização ao uso do cinto de segurança e cadeirinhas para crianças, sendo a operação direcionada para as vias onde estas infrações são mais frequentes.

Em comunicado, a GNR adianta que a utilização do cinto de segurança e de sistemas de retenção para crianças (SRC) reduz a ocorrência e a gravidade de lesões sofridas pelos ocupantes de uma viatura em caso de acidente de viação, sendo este o motivo para aquela força de segurança dar particular atenção às ações de prevenção e fiscalização.

A Guarda Nacional Republicana registou este ano 18.870 infrações por falta de cinto de segurança e SRC, correspondendo a uma diminuição de cerca de 26 por cento em relação 2015, quando ocorreram 24.350.

Segundo a GNR, Porto (3.567), Aveiro (2.069) e Braga (2.003) foram os distritos que registaram o maior número de infrações este ano.

Esta operação, que em Portugal é levada a cabo pelos militares da Unidade Nacional de Trânsito e dos comandos territoriais, é também realizada em todos os países da Europa e enquadra-se no plano definido pela European Traffic Police Network (TISPOL), organismo que congrega todas as polícias de trânsito da Europa, no qual a GNR é a representante nacional.

A GNR sublinha ainda que a não utilização do cinto de segurança é uma das principais causas da sinistralidade rodoviária grave em Portugal, a par do excesso de velocidade e condução sob a influência do álcool, tendo, por isso, intensificado as ações de controlo destas matérias no sentido de reduzir o número de vítimas nas estradas.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.