sicnot

Perfil

País

Proteção Civil alerta para cheias e queda de árvores

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou esta segunda-feira para a possibilidade de cheias rápidas em zonas urbanas e inundações em locais vulneráveis e possibilidade de quedas de árvores, face às previsões meteorológicas para terça-feira.

Em comunicado a ANPC lembra que as previsões são de períodos de chuva, por vezes forte, em especial durante a madrugada e manhã, e vento forte, com rajadas até 70 quilómetros por hora nas terras altas.

Face às previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) a ANPC alerta para a possibilidade de se formarem lençóis de água ou de haver inundações em estruturas urbanas subterrâneas, além de danos em estruturas montadas ou suspensas.

No comunicado a ANPC frisa que é possível minimizar danos com a adoção de medidas preventivas como a desobstrução dos sistemas de escoamento de águas ou a fixação de estruturas soltas.

E sugere uma condução cuidadosa, evitando o atravessar de zonas inundadas ou arborizadas (devido ao vento forte).

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.