sicnot

Perfil

País

Marcelo na Bulgária para debater Europa e Balcãs com Grupo de Arraiolos

O Presidente da República vai estar entre quarta e quinta-feira na Bulgária para a 12.ª reunião do Grupo de Arraiolos, que reúne chefes de Estado europeus sem poderes executivos, para debater questões europeias e os Balcãs.

Segundo o programa provisório, Marcelo Rebelo de Sousa e restantes participantes (Finlândia, Alemanha, Hungria, Eslovénia, Malta, Itália, Letónia e Polónia) vão ser recebidos pelo anfitrião búlgaro, Rosen Plevneliev, em Plovdiv, a partir das 14:15 (12:15 em Lisboa).

"Como aumentar a confiança da União Europeia num período de riscos crescentes e de uma ordem internacional instável?" é um dos debates previstos, com alocução do especialista Ivan Krastev, presidente do Centro de Estratégias Liberais de Sofia e membro do Instituto de Ciências Humanas de Viena, pelas 15:45 (13:45 em Lisboa), no Museu Etnográfico de Plovdiv,.

Os diversos elementos do Grupo de Arraiolos vão ainda passear pelo centro histórico de Plovdiv antes do jantar oficial oferecido pelo Presidente da Bulgária, no restaurante Puldin, a partir das 19:30 (17:30 em Lisboa).

Na quinta-feira, já em Sofia, os trabalhos continuam no Museu de História Natural da capital com a sessão "Balcãs, transformação histórica de um campo de jogos dos interesses das grandes potências numa parte integrante da Europa unida", às 10:00 (08:00 em Lisboa), e participação da vice-presidente da Comissão Europeia para o Orçamento, a também búlgara Kristalina Georgieva.

A conferência de imprensa conjunta final está agendada para as 11:30 (09:30 em Lisboa), no edifício Boyana, seguindo-se o almoço de encerramento, na Galeria Nacional de Arte de Sofia.

A Presidência da República Portuguesa mantém em aberto a hipótese de Marcelo Rebelo de Sousa ter ainda um encontro com a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Búlgara, provavelmente na chancelaria da embaixada portuguesa.

A primeira reunião do género, então de seis chefes de Estado (Portugal, Alemanha, Finlândia, Hungria, Letónia e Polónia) ocorreu em outubro de 2003, na vila portuguesa de Arraiolos, por iniciativa do antigo presidente da República, Jorge Sampaio, subordinada ao tema do alargamento europeu a leste.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.