sicnot

Perfil

País

Primeiro-ministro hoje em Bratislava para cimeira sobre futuro da UE

O primeiro-ministro António Costa e 26 outros chefes de Estado e de Governo da União Europeia, reúnem-se hoje em Bratislava, sem a britânica Theresa May, para refletir sobre o futuro da União a 27.

Numa cimeira informal marcada para a capital da Eslováquia na sequência da saída do Reino Unido da União Europeia, os líderes europeus propõem-se iniciar "um processo de reflexão" sobre o futuro da EU.

Nesta reunião não está prevista a adoção de medidas concretas, até porque, sendo um encontro informal a 27, sem a delegação britânica, tecnicamente não se trata de um Conselho Europeu, pelo que do mesmo não podem resultar decisões vinculativas.

"Se [da cimeira] sair um calendário, já será mais do que o previsto", comentou na quarta-feira o porta-voz do governo alemão, referindo-se a uma ideia defendida pelo governo francês, que pretende que os 27 acordem um "roteiro" sobre os passos e reformas a seguir para dar um novo impulso à União, a atravessar um momento particularmente delicado, confrontada com uma inédita "deserção" de um Estado-membro e consequente receio de um efeito de contágio a outros países.

Na quarta-feira, no seu discurso sobre o "Estado da União", o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, garantiu perante o Parlamento Europeu que "a existência da UE não está ameaçada" pelo 'Brexit', mas reconheceu que há "fissuras e divisões" no seio da União e que exigem "medidas concretas" para evitar uma subida dos populismos.

Três temas incontornáveis nesta discussão, identificados pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, nas suas consultas com as 27 capitais, serão a migração ilegal, o terrorismo e o impacto da globalização.

A cimeira de Bratislava, com início agendado para as 10:00 locais (09:00 de Lisboa) constituirá assim apenas o início de um processo de reflexão que deverá prolongar-se durante os próximos meses, estando já previsto um novo encontro informal dos 27 chefes de Estado e de Governo no início de 2017, em Malta, país que sucederá à Eslováquia na presidência rotativa do Conselho da UE.

O primeiro-ministro português seguirá de Bratislava para Viena, onde tem previsto um encontro no sábado de manhã com o chanceler austríaco, Christian Kern, antes de regressar a Lisboa.

Lusa

  • Líderes europeus reúnem em Bratislava
    1:00

    SIC Europa

    A Eslováquia tem até ao final do ano a presidência rotativa da União Europeia. Bratislava recebeu as reuniões de ministros das Finanças e, no próximo dia 16, recebe os 27 chefes de Estado e de Governo que vão discutir o futuro da União sem o Reino Unido.

  • PM recebe partidos para preparar cimeira de Bratislava

    País

    António Costa recebe hoje e amanhã, em São Bento, os partidos com representação parlamentar no âmbito do processo de consultas antes da cimeira informal de líderes da União Europeia em Bratislava, na sexta-feira. O Bloco de Esquerda é o primeiro a ser recebido seguindo-se, ainda durante a manhã, o CDS-PP, o PCP e o PS.

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.