sicnot

Perfil

País

Protesto de taxistas em outubro deverá juntar seis mil carros em Lisboa

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT) afirmou este sábado que a concentração de 10 de outubro em Lisboa, para contestar a atividade de plataformas que consideram ilegais, deverá reunir cerca de seis mil carros.

"Isto vai perturbar a vida das pessoas, não temos dúvidas. Seis mil carros em Lisboa vão criar uma grande confusão. Mas penso que as pessoas percebem, nós não estamos a pedir o aumento do sistema tarifário. Só estamos a pedir uma coisa: o governo tem que fazer cumprir a lei", afirmou este sábado Carlos Ramos aos jornalistas, em Lisboa, à margem de uma sessão de esclarecimento sobre o protesto de dia 10, promovida pela APT.

As organizações representativas do setor do táxi anunciaram, no início deste mês, uma nova concentração em Lisboa, a 10 de outubro, para contestar a atividade de plataformas como a Uber e a Cabify (que permitem pedir carros de transporte de passageiros, com uma aplicação para smartphones que liga quem se quer deslocar a operadores de transporte), que consideram funcionar de forma ilegal.

Carlos Ramos recordou que "o último relatório da Autoridade de Mobilidade e dos Transportes (AMT), que foi pedido pela Assembleia da República, conclui isso mesmo: "é ilegal".

"Não podem circular na cidade de Lisboa. Têm que ser apreendidos. Se o Governo não o fizer, nós temos que os fazer parar e queremos fazê-lo de forma pacífica, mas se acontecer alguma coisa responsabilizamos o Governo", afirmou.

Apesar de durante a época alta ter havido "trabalho para todos" (taxistas e plataformas), o presidente da FPT alertou que "a partir do mês de setembro e, a exemplo do que se passou no ano passado, há quebras na ordem dos 40%".

O presidente da FPA sublinhou que os taxistas "não estão contra as plataformas" e até lembrou que "os táxis têm quatro ou cinco plataformas a funcionar há quatro ou cinco anos".

No entanto querem que a atividade dessas plataformas seja regulada.

Os taxistas reclamam sofrer de concorrência desleal em virtude do quadro legislativo existente que os obriga a determinados preceitos financeiros e de segurança, por exemplo, para poderem exercer a sua atividade.

Na sexta-feira, o ministro do Ambiente, que tutela os transportes, disse à rádio Renascença que está a ser ultimada legislação para o setor.

Segundo João Pedro Matos Fernandes, é "já claro que há um conjunto de prerrogativas que são e serão apenas dos táxis" como "benefícios fiscais na aquisição de um veículo táxi, a utilização das faixas bus, só os táxis podem ser chamados na via pública, só os táxis podem estacionar nas praças de táxis".

Para Carlos Ramos isto é uma "não informação" por parte do ministro.

A FPA quer antes que o Governo esclareça algumas questões, como "onde pretende ir buscar viaturas para alimentar as plataformas?".

"O secretário de Estado diz que é do mercado, então se é do mercado são nove milhões de pessoas que se podem ligar com o seu carrinho à plataforma. Isto não faz sentido nenhum", defendeu o dirigente.

Além disso, "a ideia do Governo é que o contingente seja nacional" e os taxistas dizem "que tem que ser concelhio".

"Vivo em Alcochete, se o contingente é nacional venho associar-me a Lisboa. Será que a Câmara permite que venham mais 300 carros trabalhar para a cidade. Quando é reconhecido que há carros a mais para transporte de passageiros e em termos de fluidez do trânsito", questionou.

A instalação das plataformas online, como a Uber e a Cabify, em Portugal tem sido muito contestada pelos taxistas, tal como noutros países, tendo já havido registo de situações de confronto e agressões entre os profissionais.Lusa

  • Obama acredita que Guterres será um bom líder da ONU
    0:53

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar de perto com os Estados Unidos na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido esta sexta-feira por Barack Obama, na Casa Branca, onde foi elogiado pelo ainda Presidente.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.