sicnot

Perfil

País

PSD diz que mais ciclovias "é ofensivo" para os lisboetas

O vereador do PSD na Câmara de Lisboa António Prôa considerou esta quinta-feira que o anúncio de mais 150 quilómetros de ciclovias na cidade "é ofensivo" para os lisboetas e "em nada contribui" para resolver os problemas de mobilidade.

"O anúncio do investimento em 150 quilómetros de ciclovias é ofensivo para a maioria dos lisboetas que diariamente sofrem com o trânsito que se agrava, com os transportes que não têm e com as intervenções precipitadas na cidade com que são confrontados", refere António Prôa numa nota enviada à agência Lusa.

Na terça-feira, o vereador da Estrutura Verde da Câmara de Lisboa, José Sá Fernandes, anunciou que Lisboa vai contar com mais 150 quilómetros de ciclovias, que irão "atravessar a cidade toda, transversalmente", e que devem estar disponíveis até 2018.

Para o PSD, as novas ciclovias "em nada contribuem para resolver os problemas de quem tem de se deslocar diariamente das zonas limítrofes para a cidade de Lisboa para trabalhar ou estudar, faça sol ou faça chuva".

Assim, António Prôa acusa a liderança do executivo municipal (de maioria socialista) de tratar a questão das ciclovias como "folclore", pois revela um "provincianismo de querer fazer igual ao estrangeiro, esquecendo as diferenças é preocupante e revela complexos não resolvidos".

Ressalvando que "as ciclovias podem e devem ser uma realidade", o social-democrata vinca que esta iniciativa "não pode servir para campanhas, para ficar bem na fotografia, quando não se resolvem problemas sérios de mobilidade na cidade, antes se agravam".

Assim, o autarca advoga que a despesa "será de muitos milhões de euros, que não poderão ser investidos para resolver os problemas do trânsito cada dia mais caótico na cidade de Lisboa".

Aquando do anúncio desta medida, o vereador José Sá Fernandes afirmou que "no primeiro semestre de 2017 muita da rede principal estará concluída", admitindo que "algumas zonas poderão saltar para final de 2017 ou mesmo início de 2018".

Estes 150 quilómetros juntam-se aos 60 já existentes na cidade e abrangerão o eixo marginal, eixo Benfica-Braço de Prata, o Eixo Central (entre as avenidas Fontes Pereira de Melo e da República), Olivais, a circular exterior do concelho e, ainda, o eixo Alcântara-Luz.

Esta "rede principal será complementada com uma rede secundária", apontou o responsável, acrescentando que o objetivo é "unir a cidade inteira", visto que a rede será conjugada com "zonas 30, permitindo a coexistência da bicicleta com o carro".

"Os anúncios efetuados pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa na área da mobilidade são incoerentes relativamente à prática da maioria que governa a Câmara", continua Prôa, considerando que "a única ação concretizada por esta maioria em matéria de circulação viária foi a desastrosa intervenção na rotunda do Marquês de Pombal e Avenida da Liberdade, que provocou o agravamento do tráfego naquela zona".

Prôa acusa o município de "não fazer a sua obrigação e não resolver problemas com os meios de que dispõe", nomeadamente através da fiscalização de cargas e descargas, evitando estacionamentos em segunda fila, aumentando a extensão das faixas BUS ou fiscalizando as zonas de emissões reduzidas.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.