sicnot

Perfil

País

Catarina Martins na rentrée do partido alemão Die Linke

© Reuters

A coordenadora do BE, Catarina Martins, participa esta sexta-feira, em Berlim, na rentrée do Die Linke, partido alemão de esquerda, num painel onde vai estar com o eurodeputado francês e líder da Frente de Esquerda francesa, Jean-Luc Mélenchon.

Fonte oficial do BE adiantou à agência Lusa que Catarina Martins vai estar presente na rentrée do partido alemão de esquerda que "obteve 15,6% nas recentes eleições em Berlim e que poderá determinar uma solução governativa à esquerda na região".

No painel da coordenadora bloquista estará também o líder da esquerda radical francesa, Jean-Luc Mélenchon, e o alemão Oskar Lafontaine.

"Nos últimos anos, ao mesmo tempo que assistíamos ao reforço do poder decisório da Alemanha, vimos sempre na esquerda alemã um aliado na defesa da soberania dos países periféricos e pela reestruturação das suas dívidas", refere a mesma fonte.

No centro da intervenção de Catarina Martins "estará o percurso da esquerda que, nos vários países, sabe que a União Europeia vive em risco de desintegração e que a Europa só terá condições de desenvolvimento e paz se for um espaço de convergência".

"À margem do debate sobre os caminhos da esquerda, será abordada a necessidade de, no plano imediato, a esquerda alemã e europeia ser aliada na recusa da chantagem que a Comissão Europeia impõe sobre as escolhas orçamentais em Portugal", explicou ainda.

Lusa

  • As derrotas, as vitórias e os empates

    Liga Europa

    A Liga Europa já mexe. Na 2ª jornada, o Sporting de Braga foi à Ucrânia perder, por 2-0, com o Shakhtar Donetsk. Já José Mourinho, regressou às vitórias ao bater o Zorya, por 1-0. Paulo Bento não teve a mesma sorte e viu o Olympiacos perder em casa com os cipriotas do APOEL. Pode rever aqui os resumos dos jogos da 2ª jornada da Liga Europa.

  • "Tengo ganas de ir a Fátima"
  • Sim ou não ao fim do sigilo bancário?

    Economia

    O fim do sigilo bancário para os contribuintes com mais de 50 mil euros está a causar polémica. Há quem diga que pode levar a uma retirada de dinheiro dos bancos, mas os trabalhadores dos impostos defendem que a medida é indispensável para o combate à fraude.

  • Da minha janela, Lisboa