sicnot

Perfil

País

Complexo turístico Zmar em Odemira diz que vai reerguer-se após incêndio

A empresa proprietária do complexo turístico Zmar, em Odemira, no litoral alentejano, assegurou esta segunda-feira que o empreendimento vai "reerguer-se", após o incêndio que afetou vários espaços, mas não os alojamentos.

"O Zmar vai reerguer-se: ´Na Natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se Transforma'!", refere a empresa Multiparques, num comunicado enviado à agência Lusa, dois dias após o incêndio que afetou o complexo, situado perto de Zambujeira do Mar, no concelho de Odemira, no distrito de Beja.

O incêndio, cujo alerta foi dado às 17:39 de sábado, afetou o spa, a piscina de ondas, o restaurante, as cozinhas e algumas salas, mas "os alojamentos não foram afetados", precisa a empresa, referindo que o Zmar está "temporariamente fechado e todos os clientes com reserva serão brevemente contactados".

A "prioridade" foi a evacuação do complexo turístico e a retirada de clientes e colaboradores, num total de "cerca de 500 pessoas", e "tudo decorreu com calma e tranquilidade, sem registo de vítimas, nem incidentes", sublinha a empresa, frisando que "todas as normas de segurança e de prevenção contra incêndios foram cumpridas e tudo esteve operacional".

As causas do incêndio ainda são desconhecidas e estão a ser investigadas pela Polícia Judiciária.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Odemira, Nazário Viana, disse à Lusa que "há suspeitas de que o incêndio tenha iniciado numa camarata" e não na cozinha, como chegou a ser indicado.

No incêndio, segundo fonte dos bombeiros, arderam também três veículos de funcionários do complexo turístico.

O administrador executivo da Multiparques, João Ribeiro Ferreira, disse à Lusa, no domingo, que "o incêndio começou numa camarata dos funcionários" do complexo turístico e "os prejuízos são muito avultados", acrescentando que "o valor só mais tarde pode ser apurado".

Segundo o responsável, a área de alojamento deve "reabrir dentro de duas semanas", mas o complexo turístico na sua globalidade "só deve estar a funcionar em abril de 2017".

João Ribeiro Ferreira realçou que "não houve qualquer tipo de dano humano" em resultado do fogo.

O combate ao fogo, que foi dominado às 20:03 de sábado, tanto na sua componente urbana, na estrutura do Zmar, como na vertente rural, uma vez que as chamas se propagaram a uma zona de pasto e de povoamento florestal, envolveu 98 operacionais, com 35 veículos, sobretudo de corporações de bombeiros dos distritos de Beja e de Setúbal, e um helicóptero.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11