sicnot

Perfil

País

Arquiteto Souto de Moura defende saída dos ministérios do Terreiro do Paço

​O arquiteto Eduardo Souto de Moura defende "a libertação" do Terreiro do Paço, em Lisboa, através da relocalização dos ministérios que atualmente ali se encontram, dando lugar a uma zona de lazer.

"Penso muito, por exemplo, porque é que não se liberta o Terreiro do Paço", afirmou o arquiteto à agência Lusa, idealizando para o local "um museu das descobertas, da diáspora e da língua" ou "um grande museu sobre a cultura portuguesa".

A par disto, Souto de Moura admitiu que a Praça do Comércio também "pode ter lazer e pode ter hotéis".

Para o arquiteto, que falava à margem da apresentação de um empreendimento com a sua assinatura, os ministérios que se encontram naquela praça ribeirinha deveriam ser alocados a outra parte da cidade.

"Porque é os ministérios não vão em frente, faziam-se dez prédios [numa outra zona] e era uma maneira de fazer uma âncora para um arranjo marginal", defendeu.

Considerando que "foi uma mais-valia abrirem-se as arcadas às esplanadas", Eduardo Souto de Moura vincou que, "ao nível do rés-do-chão, a cidade ganhou imenso".

Já que "os ministérios são fechados à cidade (...), imagine-se o que não seria para cima criar numa ala um grande museu", sublinhou.

No seguimento da frente ribeirinha, o arquiteto premiado com o Pritzker em 2011, considerou também que a linha de comboios de Cascais "deveria ser enterrada, tipo metro".

"É caríssimo, mas é evidente que liberta um terreno, fazia-se uma cidade linear impecável com circuitos rodoviários e ferroviários, e uma exposição única na Europa em cima da água, quer rio, quer mar", advogou.

Quanto ao que ainda falta fazer na capital a nível arquitetónico, Souto Moura é taxativo: "ainda falta muita coisa".

"Há uma coisa que me faz impressão, as grandes cidades com grandes rios têm sempre os dois lados e acho que a margem do outro lado está um pouco esquecida", sublinhou, considerando que o lado sul do Tejo "tem uma vista lindíssima para Lisboa, tem um rio maravilhoso".

Eduardo Souto de Moura falava à Lusa à margem da apresentação de um empreendimento de luxo na Quinta do Paço do Lumiar.

O projeto é um condomínio fechado de 17 casas-pátio, num espaço de mais de 14 mil metros quadrados.

"Eu até nem conheço, acho que não há" casas deste género na capital, referiu à Lusa.

O presidente do conselho de administração da imobiliária responsável pelo projeto apontou a importância da localização, "muito próximo do centro e do aeroporto" e "bem servido de espaços verdes".

Quanto a este tipo de empreendimento, o responsável da RAR Imobiliária considerou que "existe escassez de produto residencial para o segmento alto em Lisboa", vincando mesmo não conhecer "condomínios de moradias dentro da cidade".

Lusa

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".