sicnot

Perfil

País

Avião aterra de emergência em Lisboa com funcionário esquecido no porão

Um avião da TAAG, a companhia aérea de Angola, aterrou esta manhã de emergência em Lisboa devido à presença de um trabalhador da Portway no porão. O aparelho, um Boeing 777, seguia do Porto para Luanda quando foi desviado para a Portela. A aterragem de emergência, apurou a SIC, foi decidida depois da Portway ter comunicado a falta do trabalhador, já com o avião no ar.

O funcionário de handling terá tratado da arrumação das bagagens do aparelho no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto. As relações públicas da ANA - Aeroportos e Navegação Aérea acabam de dizer à SIC que o trabalhador se encontra bem e a recuperar num hospital de Lisboa, depois de ter sido assistido pelos serviços de emergência da ANA, ainda na placa do Aeroporto Humberto Delgado.

O trabalhador da Portway apresentava sinais de hipotermia, devido ao frio que se faz sentir no porão durante o voo. Vai agora ser aberto um processo de averiguações para apurar as causas do incidente.

O avião da TAAG tinha descolado do Porto às 10:15 e deveria chegar a Luanda às 17:45.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras