sicnot

Perfil

País

Cabify alerta clientes para eventuais transtornos provocados por manifestação

A plataforma de transporte de passageiros Cabify Portugal enviou este domingo mensagens aos seus clientes a alertar para eventuais transtornos no serviço na segunda-feira, dia em que está marcado um protesto dos taxistas.

"Tendo em consideração que esta paralisação irá diminuir as opções de mobilidade nestes centros urbanos, prevemos que o aumento da procura e do trânsito poderão afetar o serviço prestado pela Cabify durante este dia, tanto a nível de disponibilidade de veículos, como de tempos de espera e de chegada ao destino. Por isso, pedimos desde já desculpa por qualquer incómodo causado", lê-se na mensagem de correio eletrónico enviada hoje ao início da noite aos clientes daquela plataforma.

Cerca de seis mil táxis de todo o país são esperados na segunda-feira em Lisboa pelas associações do setor num novo protesto contra a atividade, que consideram ilegal, das viaturas das plataformas 'online' como a Uber ou a Cabify.

A marcha lenta "10/10 Todos a Lisboa -- Contra os Ilegais" começa às 07:00 com uma concentração no Parque das Nações e segue depois às 08:30 até à Assembleia da República, onde os taxistas prometem ficar até ter uma resposta do Governo.

A Cabify Portugal aconselha os seus clientes a procurarem "locais de recolha e de destino alternativos" aos pontos onde irá passar o protesto dos taxistas e que se mantenham em contacto com o motorista "para que possam definir um ponto de recolha o mais adequado possível".

Também a Uber enviou hoje mensagens aos seus clientes com conselhos para ajudar à mobilidade em Lisboa na segunda-feira.

A Uber e a Cabify são plataformas que permitem pedir carros descaracterizados de transporte de passageiros através de uma aplicação para smartphones à qual vários operadores estão ligados.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.