sicnot

Perfil

País

Cabify alerta clientes para eventuais transtornos provocados por manifestação

A plataforma de transporte de passageiros Cabify Portugal enviou este domingo mensagens aos seus clientes a alertar para eventuais transtornos no serviço na segunda-feira, dia em que está marcado um protesto dos taxistas.

"Tendo em consideração que esta paralisação irá diminuir as opções de mobilidade nestes centros urbanos, prevemos que o aumento da procura e do trânsito poderão afetar o serviço prestado pela Cabify durante este dia, tanto a nível de disponibilidade de veículos, como de tempos de espera e de chegada ao destino. Por isso, pedimos desde já desculpa por qualquer incómodo causado", lê-se na mensagem de correio eletrónico enviada hoje ao início da noite aos clientes daquela plataforma.

Cerca de seis mil táxis de todo o país são esperados na segunda-feira em Lisboa pelas associações do setor num novo protesto contra a atividade, que consideram ilegal, das viaturas das plataformas 'online' como a Uber ou a Cabify.

A marcha lenta "10/10 Todos a Lisboa -- Contra os Ilegais" começa às 07:00 com uma concentração no Parque das Nações e segue depois às 08:30 até à Assembleia da República, onde os taxistas prometem ficar até ter uma resposta do Governo.

A Cabify Portugal aconselha os seus clientes a procurarem "locais de recolha e de destino alternativos" aos pontos onde irá passar o protesto dos taxistas e que se mantenham em contacto com o motorista "para que possam definir um ponto de recolha o mais adequado possível".

Também a Uber enviou hoje mensagens aos seus clientes com conselhos para ajudar à mobilidade em Lisboa na segunda-feira.

A Uber e a Cabify são plataformas que permitem pedir carros descaracterizados de transporte de passageiros através de uma aplicação para smartphones à qual vários operadores estão ligados.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.