sicnot

Perfil

País

"Nós não vamos sair daqui"

Centenas de taxistas mantêm-se concentrados, bloqueando o acesso ao Aeroporto de Lisboa desde o final da manhã. Terminou sem acordo a reunião entre representantes do setor do táxi e o ministro do Ambiente. Acompanhe em direto a emissão da SIC Notícias.

Última atualização às 17:26

Há vários reboques da polícia junto ao local onde estão os taxistas, o que indicia que as autoridades poderão tentar desbloquear a Rotunda do Relógio. Face às movimentações da PSP, vários taxistas encostaram os seus veículos uns aos outros para dificultar um eventual rebocamento.

A fixação de contigentes e a paragem das plataformas Uber e Cabify, enquanto não forem regulamentadas, são os principais pontos da discórdia com o Governo. Os representantes das associações representativas do setor do táxi garantem que não arredam pé do aeroporto enquanto as duas questões não forem revistas.

A ANTRAL promete continuar o protesto por tempo indeterminado. Após uma reunião com o ministro do Ambiente, Florêncio Almeida exige um compromisso do Governo, nomeadamente quanto ao contingente que será autorizado.

Por sua vez, o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, defende a descaracterização de viaturas já existentes em Lisboa, para que possam trabalhar em conjunto com as plataformas da Uber e da Cabify.

Foi uma "reunião produtiva", mas o ministro do Ambiente fala em "divergência profunda" entre o Governo e os representantes dos taxistas. João Pedro Matos Fernandes falava aos jornalistas em conferência de imprensa após ter recebido a ANTRAL e a Federação Portuguesa do Táxi, na sequência do protesto desta manhã.

Florêncio Almeida, da ANTRAL, e Carlos Ramos, da Federação Portuguesa do Táxi, saíram do Ministério do Ambiente por volta das 15:30, três horas depois de lá terem entrado.

Os taxistas estão a impedir a saída de veículos, supostamente da Uber, do aeroporto de Lisboa para a Segunda Circular, encontrando-se no local vários elementos do corpo de intervenção da PSP. De manhã, um carro foi vandalizado.

A reunião no Ministério do Ambiente foi marcada no seguimento dos incidentes entre taxistas e PSP ocorridos junto à Rotunda do Relógio.

Um grupo de taxistas bloqueou o acesso ao Aeroporto de Lisboa, perto das 11:00, registando-se alguns confrontos. A presença do Corpo de Intervenção foi reforçada no local.

Depois de uma paragem no Aeroporto de Lisboa, os taxistas tinham retomado a marcha, que se previa seguir rumo ao centro da cidade.

Minutos antes, junto a um posto de combustível nas imediações do aeroporto, os taxistas tentaram impedir motoristas da Uber de levarem clientes. A PSP foi também obrigada a enviar reforços para o local.

Eram esperados mais de 6 mil taxistas na manifestação desta manhã, mas por agora são algumas centenas.

O protesto começou meia hora depois do inicialmente previsto, pelas 9:00, uma vez que a polícia começou a desviar os profissionais que chegavam do norte do país para o IC2, provocando atrasos na entrada dos motoristas em Lisboa.

Os taxistas concentraram-se ao início da manhã no Parque das Nações, em Lisboa, antes da marcha lenta em direção à Assembleia da República.

1 / 34

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

2 / 34

MIGUEL A. LOPES/LUSA

3 / 34

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

4 / 34

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

5 / 34

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

6 / 34

MIGUEL A, LOPES/LUSA

7 / 34

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

8 / 34

MIGUEL A, LOPES/LUSA

9 / 34

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

10 / 34

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

11 / 34

MIGUEL A. LOPES

12 / 34

MIGUEL A. LOPES

13 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

14 / 34

MIGUEL A. LOPES

15 / 34

MIGUEL A. LOPES

16 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

17 / 34

MIGUEL A. LOPES

18 / 34

MIGUEL A. LOPES

19 / 34

MIGUEL A. LOPES

20 / 34

MIGUEL A. LOPES

21 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

22 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

23 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

24 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

25 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

26 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

27 / 34

MIGUEL A. LOPES

28 / 34

MIGUEL A. LOPES

29 / 34

MIGUEL A. LOPES

30 / 34

MIGUEL A. LOPES

31 / 34

MIGUEL A. LOPES

32 / 34

MIGUEL A. LOPES

33 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

34 / 34

ANT\303\223NIO COTRIM

O responsável pelo grupo de trabalho da Federação Portuguesa de Táxis, Eduardo Cascais, que se encontrava junto ao Campus da Justiça, no Parque das Nações, fez um apelo para que os manifestantes não respondam a qualquer "ato de violência" durante a marcha.

O percurso previsto:

a Praça José Queirós,
as avenidas Dr. Francisco Luís Gomes e de Berlim,
o Aeroporto de Lisboa,
a Rotunda do Relógio,
as avenidas Almirante Gago Coutinho e Estados Unidos da América,
o Campo Grande,
a Avenida da República,
o Saldanha,
o Marquês de Pombal,
os Restauradores,
o Rossio,
a Rua do Ouro,
o Campo das Cebolas (em substituição da Rua do Arsenal, em obras),
o Cais do Sodré,
a Avenida 24 de Julho
e as ruas D. Carlos I e de São Bento.

A Federação Portuguesa do Táxi diz que não está contra as novas plataformas de transportes de passageiros, como a Uber ou a Cabify, mas exige uma legalização com as mesma exigências dos taxistas.

O representante da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) acredita que a manifestação vai decorrer pacificamente. José Domingos lamenta que os protestos causem impacto na vida dos portugueses.

Com Lusa

  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares