sicnot

Perfil

País

Taxistas desmobilizaram mas prometem novo protesto

Taxistas desmobilizaram mas prometem novo protesto

Foi só depois das 2:30 da madrugada, após mais de uma hora de insistência dos presidentes das associações do setor, que os taxistas aceitaram desmobilizar da Rotunda do Relógio, em Lisboa, onde estavam concentrada desde ontem de manhã. Eram muitos os que queriam ficar e resistir à intervenção da polícia.

Cerca das 2:20, Florêncio Almeida, da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), alertou o taxistas que ainda permaneciam no protesto na rotunda do Relógio, junto ao aeroporto de Lisboa, de que a PSP o avisou de que iria começar a bloquear e a rebocar as viaturas que ali se mantivessem.

Após este aviso, e depois de explicar que o bloqueamento e que o reboque teria custos legais, bem como uma comparência em tribunal ainda hoje, Florêncio Almeida aconselhou os taxistas a mudarem o protesto para a próxima segunda-feira, a partir das 8:00.

O presidente da Federação dos Táxis, Carlos Ramos, afirmou que há mais dias para além de hoje, sublinhando que era preciso as pessoas perceberem que "vai ser possível envolver" um partido político (que já se disponibilizou), bem como o Presidente da República e as autarquias, defendendo uma "discussão aprofundada" sobre o assunto, porque estão a "lutar contra um gigante".

A marcha lenta começou na segunda-feira no Parque das Nações, em Lisboa, e deveria seguir até à Assembleia da República, mas não avançou além da Rotunda do Relógio, onde ocorreram confrontos entre os manifestantes e a polícia. Três pessoas foram detidas.

Durante o dia, os representantes do sector reuniram-se por duas vezes com o Governo, mas sem que as suas pretensões fossem atendidas.

O protesto visa lutar contra a regulação, proposta pelo Governo, da atividade das plataformas de transportes de passageiros como a Uber ou a Cabify.

Com Lusa

  • Ministro diz que definir contingente para plataformas eletrónicas é inconstitucional
    1:55

    País

    Os taxistas mantêm as exigências e as críticas ao Governo, exigem que seja definido um número máximo de veículos a trabalhar nas plataformas eletrónicas, como explicou ainda durante o protesto Carlos Ramos, da Federação Portuguesa do Táxi. O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, diz que impor esse limite, definir esse contingente, é inconstitucional.

  • O filme do protesto dos taxistas
    3:47

    País

    A manifestação desta segunda-feira começou no Parque das Nações e tinha como objetivo chegar à Assembleia da República, contudo acabou por ficar parada junto ao aeroporto. Desde cedo, centenas de taxistas começaram um protesto que até ao momento ainda não terminou. Vieram de todo o país e até do outro lado da fronteira, com vários taxistas espanhóis a juntarem-se. Os manifestantes contestam os serviços da Uber e da Cabify.

  • Repórter da SIC vítima de agressões durante protesto de taxistas
    0:28

    País

    Os ânimos estiveram bastante exaltados durante alguns momentos da manifestação e assistiram-se mesmo a algumas cenas de violência. Um repórter de imagem da SIC foi vítima de um desses episódios. Na altura em que filmava um momento que nada tinha a ver com a manifestação, o jornalista acabou por ser agredido por alguns taxistas que se encontravam no local. O repórter ficou com algumas escoriações e com a câmara e telemóveis partidos. A Direção de Informação da SIC apresentou queixa às autoridades.

  • Federação apelou ao bom senso dos taxistas para evitar imagem negativa
    1:11

    País

    O presidente da Federação Portuguesa do Táxi pediu para que não se estragasse as conquistas do dia com uma imagem negativa, que poderia acontecer se os taxistas resistissem à polícia. Carlos Ramos notou que o protesto traduziu-se nalguns avanços na questão das negociações. Perante a resistência de alguns taxistas em deixar o protesto, disse que compreendia, mas apelou ao bom senso.

  • Ministro diz que protesto dos taxistas é "injusto" e "ilegítimo"
    6:12

    País

    O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, disse esta segunda-feira em entrevista exclusiva à SIC no Jornal da Noite, que o protesto de hoje, em que milhares de taxistas bloquearam várias artérias da cidade de Lisboa, é injusto desde o primeiro momento e que acabou por se tornar ilegítimo pela forma como foi decorrendo. O ministro falou também sobre a legislação para outros serviços de transportes e esclareceu que só uma atividade de serviço público, como é o caso dos táxis, é que tem de ter um contingente.

  • Manifestação de taxistas marcou a agenda política
    2:34

    País

    A manifestação de taxistas acabou por marcar a agenda política desta segunda-feira. PSD, CDS e PCP pedem uma solução rápida ao Governo e António Costa diz que o executivo apenas regulamentou a atividade concorrente. Marcelo Rebelo de Sousa destacou a abertura do diálogo entre os taxistas e o ministro do Ambiente.

  • Taxistas acusam Governo de querer fomentar o biscate
    1:55

    País

    Os taxistas acusam o Governo de querer fomentar o biscate, pois entendem que os motoristas estão sujeitos a regras diferentes. O setor defende ainda a fixação de um limite máximo de automóveis autorizados a prestar serviços nas plataformas digitais.

  • PSD e CDS têm caminhos diferentes
    1:22

    País

    Assunção Cristas já respondeu a Pedro Passos Coelho, depois de o líder do PSD ter recusado apoiar a candidatura da líder do CDS à Câmara de Lisboa. Cristas diz que os dois partidos têm caminhos diferentes. O PSD continua sem apresentar candidato. Contudo, Marques Mendes revelou que Passos Coelho convidou José Eduardo Moniz a candidatar-se à Câmara de Lisboa.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.