sicnot

Perfil

País

Vários taxistas preocupados com imagem pública da classe depois da manifestação

Vários taxistas preocupados com imagem pública da classe depois da manifestação

Alguns taxistas estão preocupados com a imagem pública da classe, depois da violência durante a manifestação de segunda-feira. Apesar disto, os profissionais fazem um balanço positivo do protesto e prometem voltar à lut, já na próxima segunda-feira, em Belém.

  • Repórter da SIC vítima de agressões durante protesto de taxistas
    0:28

    País

    Os ânimos estiveram bastante exaltados durante alguns momentos da manifestação e assistiram-se mesmo a algumas cenas de violência. Um repórter de imagem da SIC foi vítima de um desses episódios. Na altura em que filmava um momento que nada tinha a ver com a manifestação, o jornalista acabou por ser agredido por alguns taxistas que se encontravam no local. O repórter ficou com algumas escoriações e com a câmara e telemóveis partidos. A Direção de Informação da SIC apresentou queixa às autoridades.

  • Taxistas desmobilizaram mas prometem novo protesto
    2:51

    País

    Foi só depois das 2:30 da madrugada, após mais de uma hora de insistência dos presidentes das associações do setor, que os taxistas aceitaram desmobilizar da Rotunda do Relógio, em Lisboa, onde estavam concentrada desde ontem de manhã. Eram muitos os que queriam ficar e resistir à intervenção da polícia.

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.