sicnot

Perfil

País

A entrevista a Assunção Cristas

Entrevista completa

A entrevista a Assunção Cristas

Assunção Cristas diz que o CDS-PP vê o exercício orçamental como um exercício de escolhas e assume que os centristas seguiriam opções diferentes das dos socialistas. A presidente do CDS-PP critica o primeiro-ministro pelo fraco crescimento económico e diz que António Costa deveria assumir os erros que cometeu. A dirigente centrista foi a terceira líder partidária a ser entrevistada no Jornal da Noite, depois de Pedro Passos Coelho e Catarina Martins. No próximo dia 25 é a vez do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa.

O que disse Assunção Cristas:

Orçamento do Estado 2017

"No CDS olhamos para este exercício orçamental como um exercício de escolhas"
"Na nossa perspetiva as escolhas seriam outras"
"Não nos foi dito nada de muito substancial, seria um caminho muito continuado em relação a 2016"
"Estamos a aguardar para saber na sexta-feira o que o Orçamento nos traz"
"Falta dinheiro que vem do crescimento económico, ficaria bem ao primeiro-ministro assumir que errou"
"Esses impostos são aqueles que tocam em todas as pessoas de forma igual, sem saber se têm mais ou menos dinheiro"
"O gasóleo e a gasoina afetam diretamente a classe média"
"A dívida do Serviço Nacional de Saúde é o dobro de há um ano"
"A tendência de diminuição da dívida que vinha a acontecer inverteu-se"

O que faria diferente deste Governo?

"O que estava no programa da coligação era a rersão da austeridade"
"O que era importante na nossa perspetiva era manter incentivos ao investimento"

Conta com a aprovação do Orçamento do Estado?

"Não tenho dúvida alguma sobre a aprovação deste Orçamento"
"O que vemos parece uma peça encenada, não sabemos se estão de acordo ou combinaram estar em desacordo"
"Todos são responsáveis pelo Orçamento que vier a ser aprovado"

Casamento PSD-CD?

"Há obviamente espaço para apresentar propostas em conjunto com o PSD"
"Não achamos que faça sentido dizer só que está errado, faz sentido apresentarmos propostas"

Propostas do CDS para o Orçamento do Estado

"Estaremos ativamente procurando pontos onde as pessoas não percebem porque os partidos não se entendem"
"Há muita gente na área do Centro que fica perplexa com esta radicalização à Esquerda"
"Vemos quemempre se arrogou como defensor dos serviços públicos estar calado por falta de dinheiro"

Candidatura à Câmara de Lisboa

"Candidato-me por achar que Lisboa merece ter um projeto diferente do que existe agora"
"A primeira preocupação do CDS é ter um projeto à altura das necessidades dos lisboetas"
"O meu gosto pela Câmara de Lisboa é antigo e já tinha falado com Paulo Portas sobre isso"
"Naturalmente conversei com Paulo Portas como conversei com os militantes"
"Conversei com o PSD antes da decisão ser tornada pública"
"Já há muito tempo que não nos candidatamos sozinhos em Lisboa e era importante"
"Conversei com o professor Carmona Rodrigues várias vezes como tenho falado com outras pessoas"
"O apoio de Carmona Rodrigues é relevante e o CDS está aberto a outros apoios da sociedade civil"
"O que me mobiliza é um projeto que seja o contraponto do projeto de Fernando Medina"
"Muito do que defendemos a nível nacional tem em Lisboa um espaço para ser concretizado"

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.