sicnot

Perfil

País

Lisboa lança concurso de 17 M€ para construir túneis contra cheias

A Câmara de Lisboa anunciou hoje o lançamento, em 2017, de um concurso público de 17 milhões de euros para iniciar a construção de dois túneis no âmbito do Plano de Drenagem, de forma a evitar inundações na cidade.

"O plano Geral de Drenagem terá no próximo ano, e em 2018 isso será ainda mais expressivo, uma execução orçamental de 17 milhões de euros", disse o vereador das Finanças da autarquia, João Paulo Saraiva.

Falando na apresentação do orçamento municipal para 2017, nos Paços do Concelho, o autarca salientou que este será "o concurso público internacional com o maior valor base que o município alguma vez teve".

Prevê-se que isso aconteça ainda no primeiro trimestre do próximo ano.

Contudo, "como estes processos são sempre complexos, [o prazo] pode estender-se um pouco", admitiu João Paulo Saraiva, garantindo que nunca será ultrapassado o primeiro semestre.

Orçado num total de cerca de 180 milhões de euros, o Plano Geral de Drenagem prevê a construção de dois túneis entre Santa Apolónia e Monsanto e entre Chelas e o Beato, bem como um coletor entre as avenidas de Berlim e Infante D. Henrique, entre outras infraestruturas.

No orçamento municipal para 2016, a execução do plano de drenagem tinha um valor inscrito de 4,5 milhões de euros.

Para o próximo ano, preveem-se também outros investimentos, nomeadamente, no programa "Uma praça em cada bairro" (16 milhões), em estacionamento de proximidade (13,7 milhões), na mobilidade ciclável (cinco milhões) e no dispositivo de proteção civil (cinco milhões).

Acrescem 3,9 milhões para o plano de acessibilidade pedonal, 3,5 milhões para o plano de repavimentação de vias e 3,4 milhões para a requalificação da frente ribeirinha.

No que toca à área do desenvolvimento e do emprego, o novo polo empreendedor do Beato vai representar um investimento de três milhões, assim como o futuro centro de operações integrado (para dados abertos), e o programa de empregabilidade e coesão terá um custo de perto de um milhão.

Relativamente à coesão, a autarquia (de maioria socialista) vai investir 22,5 milhões de euros na requalificação dos bairros municipais, 21 milhões no programa Escola Nova e no programa de creches B.a.bá e um milhão na criação de um plano integrado para os sem-abrigo.

Igual valor será investido na teleassistência e monitorização das condições de saúde.

Mais elevado é o montante afeto à reforma administrativa, revelou João Paulo Saraiva: "Em cima das transferências de competências, que rondam os 70 milhões de euros, foram acrescidos pelo município 11 milhões em delegações para as juntas [de freguesia]".

"As juntas são um instrumento fundamental de coesão territorial", considerou.

No que toca à criação de uma "cidade global, aberta e multicultural", o orçamento prevê a aplicação de 26 milhões em equipamentos culturais e desportivos e de 5,7 milhões para a promoção de atividades no âmbito da escolha de Lisboa como Capital Ibero-Americana da Cultura e da candidatura da cidade a Capital Europeia do Desporto em 2021.

A isto somam-se 1,9 milhões para o programa de acolhimento aos refugiados.

Ao todo, as despesas correntes rondam os 500 milhões de euros e as de capital os 275,1 milhões, representando um aumento de 15,5% face a 2016.

Intervindo na conferência de imprensa, João Paulo Saraiva assinalou que tal acréscimo se relaciona com o aumento da despesa com o pessoal, uma vez que já vai estar incluído, na esfera municipal, "um contingente de cerca 300 novos polícias municipais" que provém da Polícia de Segurança Pública, representando um custo de 10,9 milhões de euros.

Ainda neste âmbito, assinalou que "o município se encontra a preparar a sua estrutura para acelerar os processos de contratação, em face da nova legislação".

Também no próximo ano, serão contempladas as reposições remuneratórias, na ordem dos 2,5 milhões de euros.

O aumento da despesa também se relaciona com o subsídio de exploração de 1,7 milhões de euros que será entregue à empresa Gebalis para passar a fazer a manutenção de todo o edificado municipal e não só dos bairros sociais.

Lusa

  • Os melhores do mundo pela FIFA da última década

    Desporto

    O português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi têm repartido de forma igual os prémios de melhor jogador do mundo pela FIFA, na última década. Apesar destes dois nomes serem os mais falados, muitos outros jogadores foram nomeados para o prémio. Conheça a lista dos nomeados e dos vencedores desde 2007.

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta esta terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • O preconceito em relação aos transexuais
    34:09
  • "Isto destrói famílias"
    0:46
  • Falta de gado ameaça produção do queijo da Serra da Estrela
    3:35

    País

    A devastação provocada pelos últimos incêndios foi um rude golpe na economia da região Centro do país. Algumas empresas já começaram os trabalhos de reconstrução, mas os produtores de gado temem não conseguir repôr os animais, deixando em risco a produção do queijo Serra da Estrela.

  • Eurodeputados homenageiam vítimas dos fogos
    1:38

    País

    A União Europeia vai doar os 50 mil euros do prémio Princesa das Astúrias às populações afetadas pelos incêndios em Portugal e Espanha. A Comissão Europeia continua a avaliar o pedido ao Fundo Europeu de Solidariedade, mas o pedido deverá ainda ser atualizado para incluir os prejuízos causados pelos incêndios da semana passada.

  • Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado debates com as bases do PSD
    0:40

    País

    Pedro Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado a realização de debates com as bases do partido. Fernando Negrão, responsável pela candidatura de Santana Lopes à presidência do PSD, já tinha advertido em comunicado que a posição de Rui Rio poderia também inviabilizar quaisquer outros frente a frente, incluindo os organizados pela comunicação social. Santana Lopes está na Guarda, no primeiro jantar com apoiantes desde que anunciou a candidatura.