sicnot

Perfil

País

Incêndios destruíram 32 viaturas em agosto no Funchal

O secretário regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira, Eduardo Jesus, disse esta quinta-feira na Assembleia Legislativa que os incêndios que atingiram o concelho do Funchal na segunda semana de agosto destruíram 32 viaturas.

Eduardo Jesus referiu que o número se baseia em informações transmitidas pelas juntas de freguesia.

O governante falava durante a discussão de um decreto legislativo regional sobre o "regime excecional e transitório de admissão do cancelamento de matrículas de veículos destruídos pelos incêndios".

O decreto regional autoriza o cancelamento de matrículas de veículos "irremediavelmente" destruídos pelo fogo com dispensa de apresentação do certificado de destruição emitido pelo operador autorizado de desmantelamento de veículos em fim de vida.

Além disso, há uma isenção do pagamento de taxas, bem como de emolumentos relativos à emissão de certidão comprovativa da propriedade automóvel.

Os incêndios de agosto provocaram na ilha da Madeira 157 milhões de prejuízos e três mortos.

Já numa discussão sobre o novo hospital do Funchal, a sessão esteve interrompida por ordem do presidente em exercício da assembleia, Miguel de Sousa, na sequência de um requerimento do deputado do PCP, Edgar Silva.

O objetivo era a votação imediata de um pedido ao Governo Regional para disponibiliza à Comissão Especializada, no prazo de cinco dias, toda a documentação relativa à construção do novo hospital do Funchal enviada para o Governo da República.

Miguel de Sousa referiu que houve dúvidas sobre se o requerimento deveria ou não ser votado imediato.

A assembleia acabou por votar e aprovar por unanimidade o requerimento do PCP.

Em causa estava a discussão de dois projetos de resolução - um do PSD (pela inclusão da construção do novo hospital da Madeira no Orçamento de Estado para 2017) e outro do PCP (sobre garantias institucionais para a concretização dos apoios necessários à construção da unidade).

Edgar Silva realçou que o Orçamento de Estado para 2017 deve dar "sinais claros" relativamente ao novo hospital e consagrar uma verba de 25 milhões de euros para o seu arranque.

Lusa

  • A Madeira depois dos fogos
    3:44

    País

    No Funchal foi feito um minuto de silêncio pelas vítimas mortais dos incêndios. Este domingo assinala-se o dia da cidade, mas a autarquia decidiu cancelar os festejos e manter apenas uma sessão solene. O presidente da câmara aproveitou para exigir ao Governo Regional o pagamento de uma divida de 5 milhões de euros.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.