sicnot

Perfil

País

PSP apreende 41 peças de marfim, três de tartaruga e dois dentes de hipopótamo

(Arquivo)

© Thomas Mukoya / Reuters

A PSP de Lisboa aprendeu esta terça-feira 41 peças de marfim de elefante, três peças de tartaruga e dois dentes de hipopótamo durante uma ação dirigida ao comércio de marfim e outras substâncias animais em zonas comerciais de Lisboa.

Em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP, através da Brigada de Proteção Ambiental (BRIPA) e com a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), anunciou que tem vindo a realizar um conjunto de ações de fiscalização direcionadas para a proteção ambiental.

Na manhã desta terça-feira realizaram-se ações de fiscalização, em vários pontos da área de atuação do Comando Metropolitano de Lisboa, das quais resultou a apreensão destas peças.

A PSP detetou ainda quatro infrações ambientais muito graves, relativas às condições de organização, manutenção e atualização do Registo Nacional CITES e falta de Certificados CITES (Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção), sendo que o montante mínimo total das coimas ascende a 40.000 euros.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.