sicnot

Perfil

País

Portugueses são dos europeus que menos fazem voluntariado

(Arquivo)

SIC

Os portugueses são dos europeus que menos fazem voluntariado e, em 2012, eram um milhão, ou seja, 12% da população com mais de 15 anos tinha participado em trabalho voluntário, pelo menos uma vez, revela o INE.

O Inquérito Piloto ao Trabalho Voluntário 2012 integra a segunda edição da Conta Satélite da economia social, foi elaborada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e divulgada no Dia Internacional da Solidariedade Humana, que hoje se assinala.

De acordo com os resultados do inquérito, cerca de 11,5% da população residente com 15 ou mais anos tinha participado em, pelo menos, uma atividade formal ou informal de trabalho voluntário, representando 1,040 milhões de voluntários.

Com base no Inquérito Especial do Eurobarómetro para 2011, o INE salienta que, as taxas de voluntariado mais elevadas registam-se no norte da Europa, principalmente na Holanda, com 57% da população residente com 15 e mais anos a afirmar fazer voluntariado.

Ao contrário, os países da antiga Europa de Leste foram aqueles onde se observaram as taxas de voluntariado mais reduzidas.

"Portugal surgia em antepenúltimo lugar, relativamente distante da média da União Europeia (24%)", e somente a Bulgária e a Polónia tinham valores mais baixos de participação em ações de voluntariado, segundo a informação divulgada.

A posição portuguesa é explicada, "em parte, pela cultura de participação em atividades de trabalho voluntário e pelas condições socioeconómicas do país, observando-se alguma correlação entre o grau de desenvolvimento económico e a taxa de voluntariado dos países", segundo o INE.

Em 2012, "terão sido dedicadas 368,2 milhões de horas a trabalho voluntário" em Portugal e, tendo como referência o total de horas trabalhadas das Contas Nacionais portuguesas, concluiu-se que as horas dedicadas ao trabalho voluntário equivaliam a 4,3% do total de horas trabalhadas no país.

"Tal significa que, em média, a população total residente com 15 ou mais anos dedicou aproximadamente 29 horas por mês ao trabalho voluntário", salienta o INE.

Os cálculos do INE revelam que, com base no salário mínimo nacional, "o trabalho voluntário registava um valor de 1,014 mil milhões de euros, que correspondiam a 0,60% do PIB [Produto Interno Bruto] nacional em 2012".

Se a análise tiver em conta um "salário de apoio social", que reunia as remunerações médias das profissões equivalentes às atividades voluntárias mais frequentes, é obtido um valor intermédio de 1,6 mil milhões de euros, que correspondiam a quase 1% do PIB nacional.

O tipo de atividades desenvolvidas pelos voluntários em Portugal é diferente daquele observado na Europa e o INE destaca a maior relevância das atividades de apoio social e religião e a menor importância relativa do desporto, cultura, associações comunitárias, defesa de direitos e das organizações profissionais e sindicatos.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.