sicnot

Perfil

País

Empresários de diversão itinerante confiantes após reunião com o Governo

O presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversões (APED) mostrou-se esta quinta-feira confiante após uma reunião com o Governo, durante a qual, segundo o próprio, foi pedido a estes empresários que não suspendam a atividade.

"Fomos bem tratados", afirmou Luís Paulo Fernandes aos jornalistas no final de uma reunião com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, no Ministério das Finanças, em Lisboa, na qual a APED apelou ao Governo para que dissesse "desistam ou continuem".

"Pediram que não suspendamos a atividade, que continuemos", contou o representante do setor da diversão itinerante, referindo que "até ao final de janeiro nada vai mudar" e que "o IVA [Imposto sobre o Valor Acrescentado] não vai baixar [dos 23% para os 13%, como é pretensão da APED]", mas que será criado "um regime específico para a itinerância e talvez um código de atividade económica".

De acordo com Luís Paulo Fernandes, o regime para a itinerância "acontece noutros países da Europa" e foi dito pelo secretário de Estado que "faz todo o sentido acontecer em Portugal": "Estamos confiantes em que o primeiro-ministro vá pôr em prática em Portugal", disse.

Desde 2013 que estes empresários lutam pela aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento e publicada em Diário da República.

O documento "recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da atividade das empresas itinerantes de diversão".

Os empresários, que têm vindo a protestar pela "sustentabilidade da atividade", pretendem voltar a ter alvarás de cultura que lhes permitam descer o IVA de 23% para 13%.

Na manhã desta quinta-feira, a APED entregou no Palácio de Belém, em Lisboa, um cavalo de carrossel em alumínio e apelou à intervenção do Presidente da República na resolução dos problemas do setor.

Uma delegação de três elementos entregou no Palácio de Belém, Casa Civil do Presidente da República, o "presente de Natal" destinado a Marcelo Rebelo de Sousa, depois de ter tentado entregar um carrossel na Presidência do Conselho de Ministros, que acabou por se partir.

Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.