sicnot

Perfil

País

Empresários de diversão itinerante confiantes após reunião com o Governo

O presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversões (APED) mostrou-se esta quinta-feira confiante após uma reunião com o Governo, durante a qual, segundo o próprio, foi pedido a estes empresários que não suspendam a atividade.

"Fomos bem tratados", afirmou Luís Paulo Fernandes aos jornalistas no final de uma reunião com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, no Ministério das Finanças, em Lisboa, na qual a APED apelou ao Governo para que dissesse "desistam ou continuem".

"Pediram que não suspendamos a atividade, que continuemos", contou o representante do setor da diversão itinerante, referindo que "até ao final de janeiro nada vai mudar" e que "o IVA [Imposto sobre o Valor Acrescentado] não vai baixar [dos 23% para os 13%, como é pretensão da APED]", mas que será criado "um regime específico para a itinerância e talvez um código de atividade económica".

De acordo com Luís Paulo Fernandes, o regime para a itinerância "acontece noutros países da Europa" e foi dito pelo secretário de Estado que "faz todo o sentido acontecer em Portugal": "Estamos confiantes em que o primeiro-ministro vá pôr em prática em Portugal", disse.

Desde 2013 que estes empresários lutam pela aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento e publicada em Diário da República.

O documento "recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da atividade das empresas itinerantes de diversão".

Os empresários, que têm vindo a protestar pela "sustentabilidade da atividade", pretendem voltar a ter alvarás de cultura que lhes permitam descer o IVA de 23% para 13%.

Na manhã desta quinta-feira, a APED entregou no Palácio de Belém, em Lisboa, um cavalo de carrossel em alumínio e apelou à intervenção do Presidente da República na resolução dos problemas do setor.

Uma delegação de três elementos entregou no Palácio de Belém, Casa Civil do Presidente da República, o "presente de Natal" destinado a Marcelo Rebelo de Sousa, depois de ter tentado entregar um carrossel na Presidência do Conselho de Ministros, que acabou por se partir.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".