sicnot

Perfil

País

Empresários de diversão itinerante confiantes após reunião com o Governo

O presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversões (APED) mostrou-se esta quinta-feira confiante após uma reunião com o Governo, durante a qual, segundo o próprio, foi pedido a estes empresários que não suspendam a atividade.

"Fomos bem tratados", afirmou Luís Paulo Fernandes aos jornalistas no final de uma reunião com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, no Ministério das Finanças, em Lisboa, na qual a APED apelou ao Governo para que dissesse "desistam ou continuem".

"Pediram que não suspendamos a atividade, que continuemos", contou o representante do setor da diversão itinerante, referindo que "até ao final de janeiro nada vai mudar" e que "o IVA [Imposto sobre o Valor Acrescentado] não vai baixar [dos 23% para os 13%, como é pretensão da APED]", mas que será criado "um regime específico para a itinerância e talvez um código de atividade económica".

De acordo com Luís Paulo Fernandes, o regime para a itinerância "acontece noutros países da Europa" e foi dito pelo secretário de Estado que "faz todo o sentido acontecer em Portugal": "Estamos confiantes em que o primeiro-ministro vá pôr em prática em Portugal", disse.

Desde 2013 que estes empresários lutam pela aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento e publicada em Diário da República.

O documento "recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da atividade das empresas itinerantes de diversão".

Os empresários, que têm vindo a protestar pela "sustentabilidade da atividade", pretendem voltar a ter alvarás de cultura que lhes permitam descer o IVA de 23% para 13%.

Na manhã desta quinta-feira, a APED entregou no Palácio de Belém, em Lisboa, um cavalo de carrossel em alumínio e apelou à intervenção do Presidente da República na resolução dos problemas do setor.

Uma delegação de três elementos entregou no Palácio de Belém, Casa Civil do Presidente da República, o "presente de Natal" destinado a Marcelo Rebelo de Sousa, depois de ter tentado entregar um carrossel na Presidência do Conselho de Ministros, que acabou por se partir.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.