sicnot

Perfil

País

Cuidados de saúde oral alargados a mais utentes a partir de janeiro

Os cuidados de saúde oral nos centros de saúde vão ser alargados a partir de janeiro a mais utentes e a novas unidades, com o Ministério da Saúde a prever contratar mais 13 médicos dentistas durante o ano de 2017.

Em julho deste ano começaram a ser introduzidas consultas de saúde oral nos centros de saúde, com experiências piloto que decorreram em algumas unidades da Grande Lisboa e do Alentejo.

Nesta primeira fase, tinham acesso a consultas de saúde oral doentes portadores de diabetes, neoplasias, patologia cardíaca ou respiratória crónica, insuficiência renal em hemodiálise ou diálise peritoneal e os transplantados inscritos nos agrupamentos de centros de saúde onde decorreram as experiências piloto.

Segundo fonte oficial do Ministério da Saúde, a partir de 1 de janeiro de 2017 "deixará de existir limitação da referenciação às patologias consideradas mais relevantes", permitindo que o médico de família oriente os utentes que considerem que podem beneficiar de cuidados de saúde oral, "sem nenhuma condicionante".

Além de um grupo inicial de 13 médicos dentistas e assistentes dentários contratados para a fase da experiência piloto, o Ministério prevê contratar durante 2017 mais 13 novos médicos dentistas a alocar a centros de saúde nas regiões Norte, Centro e Algarve.

Em reposta a questões da agência Lusa, o Ministério refere ainda que vai ser homogeneizada a metodologia de trabalho dos 26 médicos dentistas que já exerciam a sua profissão no âmbito do Serviço Nacional de Saúde (SNS), o que era feito "de forma assimétrica, não devidamente reconhecida e nem adequadamente integrada".

"Assim, no final de 2017 prevê-se que existam no SNS de Portugal Continental cerca de 50 médicos dentistas a exercer a sua profissão nos cuidados de saúde primários, de forma homogénea e em condições semelhantes", refere a mesma fonte oficial do Ministério da Saúde.

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.