sicnot

Perfil

País

Bastonário da Ordem dos Advogados defende redução das custas judiciais

ANT\303\223NIO COTRIM

O novo bastonário da Ordem dos Advogados (OA), Guilherme Figueiredo, defendeu esta quarta-feira em Lisboa, "uma diminuição acentuada das custas judiciais", considerando que estas atingem "valores insuportáveis".

"A justiça é um bem essencial e não um bem económico", alertou Guilherme Figueiredo, hoje empossado no cargo de bastonário, depois de ter vencido Elina Fraga na segunda volta das eleições, realizadas em dezembro passado.

Ao falar na cerimónia de posse, Guilherme Figueiredo justificou a necessidade de redução das custas judiciais com os "valores escandalosos" que atingem, alertado igualmente para o facto de a classe média "estar depauperada".

Segundo o novo bastonário da OA, esse elevado valor "ofende a Constituição" e os princípios basilares da Justiça e do acesso aos tribunais.

"Não poderia nunca deixar de referir nesta intervenção a defesa por uma diminuição acentuada das custas judiciais, actualmente sem qualquer tecto e que atingem valores insuportáveis para os cidadãos que não têm direito ao apoio e patrocínio judiciário, nem têm uma capacidade económica que lhes permita utilizar os meios judiciais para dirimir os litígios. Estes são a grande parte da população, constituída por uma classe média depauperada", enfatizou Guilherme Figueiredo.

Em sua opinião, impõe-se, por um lado, um maior orçamento para o Ministério da Justiça e, por outro lado, a redução acentuada das custas judiciais.

Além da dimuição das custas judiciais, o novo bastonário elegeu como questões centrais da sua interveção a importância do segredo profissional, a prática de buscas a escritórios de advogados e a constituição destes como arguidos, o Pacto sobre a Justiça e o Fórum Institucional para a Justiça e a Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores.

Guilherme Figueiredo criticou o facto de se fazerem buscas aos escritórios de advogados com o fim único de se obterem elementos de prova, sem que aqueles sejam verdadeiramente suspeitos de praticarem factos possivelmente integradores de crimes, lembrando que as buscas são simultaneamente "meios de obtenção de prova e são meios compressores de direitos, liberdades e garantias".

"Quando feitas a advogados, são ainda e adicionalmente compressores de dois pilares essenciais do Estado de direito, a saber: o privilégio da relação cliente-advogado e o segredo profissional", vincou.

Em seu entender, daqui decorrem, pelo menos, duas imposições: uma, que na base das buscas estejam verdadeiras suspeitas da participação nos sujeitos investigados, outra, que a ponderação e o exercício de concordância prática sejam, nesses casos, especialmente cautos e fundados, sob pena de se transformar a advocacia num auxiliar involuntário da investigação criminal.

"Creio que, em vários casos, isto não tem sido feito, obedecendo as buscas a meros critérios de conveniência e de facilidade de obtenção de prova contra os clientes dos advogados, e não contra estes, com a agravante, nada despicienda, de os advogados serem para tal constituídos arguidos, assim ficando até ao fim do inquérito e com a publicidade e o gravame a isso associados", disse, advertindo: "Isto não pode ser"

O novo bastonário falou ainda sobre a necessidade de construção de um Pacto da Justiça e constituição de um Fórum Institutcional sobre a Justiça, enquanto espaço com "a capacidade de proporcionar o encontro e desencontro, consenso e dissenso e, inevitavelmente, a co-responsabilidade pelo resultado".

Guilherme Figueiredo prometeu credibilizar a advocacia e mostrou-se preocupado com o impacto do novo regulamento da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores, propondo a convocação imediata de uma reunião do Conselho-Geral da Caixa para debater e aprofundar as consequências e discutir medidas alternativas.

A posse foi conferida pela bastonária cessante, Elina Fraga, que, entre outros pontos, recordou a luta travada juntamente com o presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais, Fernando Jorge, contra a última reforma do mapa judiciário que levou à extinção de duas dezenas de tribunais e que recentemente foram reativados pela atual ministra da Justiça.

Durante a cerimónia tomaram ainda posse Menezes Leitão como presidente do Conselho Superior da Ordem e Jorge Bacelar Gouveia como presidente do Conselho Fiscal da OA.

Lusa

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Mundo tornou-se "mais sombrio e mais instável" em 2016

    Mundo

    O mundo tornou-se em 2016 "um local mais sombrio e mais instável", devido ao agravamento de conflitos como a Síria e dos "discursos do ódio" na Europa e Estados Unidos, considerou hoje a Amnistia Internacional no seu relatório anual.

  • Semáforos no chão para os mais distraídos

    Mundo

    Na cidade holandesa de Bodegraven, está a ser testado um sistema de semáforos para quem usa o telemóvel na rua. Estes semáforos têm a forma de faixas, que são colocadas no chão, e a luz muda de cor consoante o trânsito, tal como os semáforos já existentes.

    André de Jesus

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.

  • Cães desfilam no Rio de Janeiro
    1:00

    Mundo

    O tradicional cortejo de Carnaval brasileiro só acontece daqui a uns dias, mas no Rio de Janeiro já há inúmeros desfiles pelas ruas. Na praia de Copacabana, os animais mascararam-se de humanos.