sicnot

Perfil

País

Urânio que já não serve para produzir energia é resíduo a armazenar em Almaraz

Os resíduos nucleares como os que Espanha quer armazenar em Almaraz são produzidos em todas as centrais nucleares e consistem nas barras de urânio que já não servem para alimentar os reatores.

"Os elementos de combustível que já não se utilizam ainda são altamente radioativos", característica que mantêm durante milhões de anos, disse à agência Lusa Francisco Ferreira, da associação ambiental Zero.

No caso de Almaraz, que tem reatores de água pressurizada, trata-se de urânio, que em contacto com água dentro do circuito primário do reator produz vapor de alta pressão cuja força é aproveitada para mover turbinas e assim produzir energia.

Da utilização desses materiais, resulta combustível nuclear gasto, urânio 238, que pode ser armazenado em piscinas de água, a seco ou em ambiente húmido, no que se designa como Armazenamento Temporário Individualizado (ATI), que pode durar entre 60 a 100 anos.

No caso de Almaraz, o que se prevê é que as barras de urânio sejam guardadas em contentores metálicos ou de betão acima do solo, o que em si não constitui risco acrescido, referiu Francisco Ferreira, apontando que a maior preocupação dos ambientalistas é que, podendo armazenar o combustível que já não está em condições de utilizar, a central continue a operar para além do seu prazo previsto de laboração, em 2020.

O armazenamento de material radioativo teria sempre que acontecer, inclusivamente quando a central for desmantelada, indicou. Espanha previa ter pronto no ano passado um depósito centralizado dos resíduos de todas as suas centrais, semelhante ao que se projeta agora para Almaraz mas depois de o projeto ser anunciado em 2011, nunca chegou a arrancar.

"É por isso que surgem agora estes armazéns", apontou Francisco Ferreira, referindo que o "destino finalíssimo" de dejetos nucleares que resultam das operações nas centrais terá sempre que ser "um depósito geológico profundo".

Mas isso ainda falta encontrar na maior parte dos países: Espanha não tem um e até um país como os Estados Unidos da América ainda não designou um local para armazenar o combustível nuclear que já não se usa. A central nuclear de Almaraz, cuja construção começou em 1971, tem dois reatores nucleares em operação, um desde 1981 e outro desde 1983.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.