sicnot

Perfil

País

Portugal participa na conferência sobre paz no Médio Oriente em Paris

© Adriano Machado / Reuters

O Governo português participa na conferência sobre o processo de paz no Médio Oriente, domingo em Paris, associando-se à posição "largamente partilhada pela comunidade internacional" que defende a retoma do diálogo para o estabelecimento dos estados de Israel e Palestina.

Portugal será representado na conferência internacional, promovida pela diplomacia francesa, pela secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro.

O objetivo do encontro é "manter o processo de paz no Médio Oriente como prioridade cimeira na agenda internacional, reafirmar a centralidade da solução dos dois Estados - Israel e Palestina - e identificar medidas que possam incentivar essa solução", disse à Lusa a governante, que reiterou a posição portuguesa sobre este conflito.

"Entendemos que há uma necessidade imperiosa de resolução do conflito israelo-palestiniano para a pacificação regional e para a segurança global, com particular incidência na segurança da Europa. É absolutamente indispensável ultrapassar o atual impasse político e, portanto, retomar o diálogo e restabelecer perspetivas de paz e dar um sinal de esperança aos israelitas e aos palestinianos", afirmou.

Questionada sobre as expectativas para esta reunião, que Israel já criticou, Teresa Ribeiro afirmou que a iniciativa "pretende marcar uma posição largamente partilhada pela comunidade internacional e mais uma vez apelar para que se encontre uma solução de paz que seja aceite" por ambos os lados.

Apesar de nem Israel nem a Palestina participarem no encontro, a ideia, explicou a secretária de Estado, "é que possam depois ser mobilizados para o seu seguimento".

Sobre os Estados Unidos, país tradicionalmente aliado de Israel, e as posições já manifestadas pelo próximo Presidente, Donald Trump, de apoio às autoridades israelitas, Teresa Ribeiro afirmou que "a comunidade internacional reafirma a posição, que é sua há muito tempo, cumprindo o papel que lhe cabe".

"Depois veremos qual será a reação dos Estados Unidos", disse, sublinhando que Washington é "um parceiro indispensável na negociação deste conflito".

Questionada sobre a posição do Governo português relativamente ao reconhecimento do Estado da Palestina, recomendada pelo parlamento em dezembro de 2014, a secretária de Estado insistiu que Portugal "seguirá o consenso europeu".

O Presidente francês, François Hollande, declarou que o objetivo da conferência de domingo é "reafirmar o apoio da comunidade internacional à solução de dois Estados (israelita e palestiniano) e fazer que esta solução seja a referência" para a solução do conflito, com mais de 70 anos.

"Ao mesmo tempo, mantenho a lucidez sobre o que pode trazer esta conferência. A paz será feita pelos israelitas e palestinianos e mais ninguém. Só negociações bilaterais podem resultar", reconheceu o chefe de Estado francês.

Lusa

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.