sicnot

Perfil

País

Fernando Seara absolvido de crimes de prevaricação

Fernando Seara não quis fazer mais comentários sobre esta decisão, acrescentando apenas que só tomará uma posição mais concreta depois de ler o acórdão.

NUNO ANDRE FERREIRA

O antigo presidente da Câmara de Sintra Fernando Seara foi hoje absolvido dos oito crimes de prevaricação de que estava acusado.

Última atualização às 12:13

Seara era suspeito de ter beneficiado duas empesas, atribuindo obras de iluminação pública sem a realização de qualquer concurso público.

As obras foram adjudicadas a duas empresas em 2005 e terão custado no total 208 mil euros, valor que nunca chegou a ser pago pela autarquia.

Em tribunal, o antigo autarca negou todos os crimes e garantiu que nem sequer tinha conhecimento dos trabalhos.

  • Fernando Seara começa a ser julgado por crimes de prevaricação
    2:23

    País

    Fernando Seara começou esta terça-feira a ser julgado por oito crimes de prevaricação. O antigo presidente da Câmara de Sintra é suspeito de ter beneficiado duas empesas atribuindo obras de iluminação pública sem a realização de qualquer concurso público. Em tribunal, o autarca negou todos os crimes.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.