sicnot

Perfil

País

Cinco atropelamentos por dia nos últimos dois anos

© Reuters

A Guarda Nacional Republicana (GNR) registou entre 2015 e 2016, em Portugal continental, 3.618 atropelamentos de peões, uma média de cinco atropelamentos por dia, segundo dados facultados esta sexta-feira à agência Lusa.

Na área de atuação da GNR nos 18 distritos de norte a sul do país verificaram-se 1.696 atropelamentos de peões em 2015, enquanto em 2016 houve um aumento de 226 destes acidentes face ao ano anterior, para os 1.922 atropelamentos de peões.

Os dados disponibilizados pelo Comando-Geral da GNR indicam que, dos 3.618 atropelamentos registados nestes dois anos, 119 envolveram vítimas mortais.

Em 2016 ocorreram 61 episódios de atropelamentos com vítimas mortais, mais três face a 2015, ano em que foram registados 58.

De acordo com esta força de segurança, em 2015 registaram-se oito atropelamentos com fuga do condutor, sem que houvesse detidos ou os autores fossem identificados, enquanto em 2016 baixou para quatro o número deste tipo de situações.

Em 2015 a GNR registou cinco atropelamentos a peões com fuga mas em que o condutor foi detido ou identificado posteriormente, sendo que em 2016 houve nove destas ocorrências.

De acordo com dados ainda provisórios, a GNR fiscalizou 1.411.421 condutores em 2016, ano em que registaram 75.494 acidentes rodoviários, 391 mortos, 1.517 feridos graves e 23.636 feridos ligeiros.

No ano anterior realizaram-se 1.440.764 fiscalizações a condutores, 73.004 acidentes, 407 vítimas mortais, 1.633 feridos com gravidade e 23.670 feridos ligeiros.

Em 2014, os militares da GNR fiscalizaram 1.190.598 condutores e registaram 70.786 acidentes, dos quais resultaram 418 mortos, 1.531 feridos graves e 22.960 feridos ligeiros.

Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.