sicnot

Perfil

País

Açores enfrentam hoje tempestade que chegará ao continente na quinta-feira

Rui Caria

Os Açores enfrentam a partir de hoje uma forte agitação marítima, com ondas até 20 metros de altura e sete ilhas do arquipélago em aviso vermelho (o mais grave), uma tempestade que também chegará ao continente.

De acordo com a Marinha portuguesa, as condições adversas no mar são comparáveis à tempestade "Hércules", que em 2014 provocou ondas de grande dimensão que atingiram primeiro os Açores e, posteriormente, Portugal continental.

Segundo o Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA), o aviso vermelho emitido na terça-feira para os Açores vigora nas ilhas do grupo ocidental (Corvo e Flores), entre as 11:00 de hoje e as 02:00 de quinta-feira (mais uma hora em Lisboa).

Em aviso vermelho devido à agitação marítima estão também as ilhas do grupo central dos Açores (Faial, Pico, Terceira, São Jorge e Graciosa), entre as 17:00 de hoje e as 02:00 de quinta-feira, sendo que a altura máxima da onda pode chegar aos 18 metros.

As ilhas do Corvo e das Flores estão sob aviso laranja (o segundo mais grave) até às 11:00 de hoje, igualmente por causa da agitação marítima, e até às 20:00 por causa do vento forte.

A Marinha reforçará o seu dispositivo habitual para a resposta a situações de busca e salvamento no mar com a presença no grupo central da Região Autónoma dos Açores do navio patrulha oceânico.

A Proteção Civil regional já pediu à população para seguir as recomendações das autoridades, devido à previsão do agravamento do estado do tempo, designadamente com o com o reforço das amarrações das embarcações ou a sua colocação em local seguro.

A Atlânticoline, empresa pública de transporte marítimo de passageiros e viaturas nos Açores, cancelou durante o dia de hoje as ligações Faial-Pico-São Jorge devido ao agravamento do estado do tempo.

Quanto à Linha Azul, que liga Horta, na ilha do Faial, e Madalena, no Pico, será feita uma avaliação ao início da manhã de hoje, antes da primeira viagem do dia.
Mais de 1.500 civis e militares da Marinha Portuguesa e da Autoridade Marítima Nacional vão estar envolvidos na monitorização, prevenção e salvamento durante a tempestade que vai atingir a costa portuguesa.

Segundo a Marinha, "o olho do furacão" vai passar hoje nos Açores, chegando a tempestade ao continente entre quinta e sexta-feira, com vagas de oito metros, e à Madeira, com vagas de seis metros.

Com a previsão de chegada da tempestade hoje a Portugal continental, a Proteção Civil lançou na terça-feira um aviso à população, alertando para a possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, inundações, estradas escorregadias e possível queda de árvores.

Na nota enviada à comunicação social, a Autoridade Nacional de Proteção Civil recomenda comportamentos e medidas preventivas, "em particular nas zonas historicamente mais vulneráveis", entre as quais a desobstrução de sistemas de escoamento de águas pluviais, não atravessar zonas inundadas, para evitar o arrastamento de pessoas e viaturas, uma condução defensiva, sobretudo em caso de neve ou formação de lençóis de água, e a fixação de estruturas soltas, como andaimes.

A Proteção Civil desaconselha ainda a circulação e permanência junto a zonas arborizadas, junto à zona costeira, e apela a que não se pratique qualquer atividade relacionada com o mar.

Com Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.