sicnot

Perfil

País

Cerca de 20% dos portugueses não têm acesso a uma alimentação saudável

Em Portugal, cerca de 20% da população não tem acesso a uma alimentação saudável, a maioria por razões económicas. Um estudo da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa mostra também que quem come mal tem mais doenças crónicas. Nomedamente diabetes, depressão e doenças reumáticas. Consomem por isso mais recursos de saúde: são mais vezes internados e precisam de mais consultas médicas do que a população que tem uma alimentação saudável.

"Este é um problema sério de saúde pública", diz Helena Canhão, a investigadora principal do estudo, explicando que "as carências alimentares" têm grande impacto não só na saúde das pessoas como em todo o sistema nacional de saúde".


O estudo conclui também que é nas regiões dos Açores, Madeira e Algarve onde há maior percentagem de insegurança alimentar. Ou seja, uma menor adesão ao regime mediterrâneo: recorrem menos aos azeite como principal gordura utilizada, consomem menos frutas e hortícolas e preferem as carnes vermelhas e processadas.

O trabalho foi realizado em 2015 e 2016 e tem por base um inquérito nacional feito a 5.653 pessoas.

  • Morreu o companheiro de Nelson Mandela

    Mundo

    Ahmed Kathrada, activista e ícone sul-africano que lutou ao lado de Mandela contra o "apartheid" morreu hoje aos 87 anos, informou a fundação de caridade Kathrada.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23
  • Vidas Suspensas: Delfim 353
    29:30
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.