sicnot

Perfil

País

Desenhos com sonhos, medos e esperanças de meninos refugiados em Lisboa

Facebook Galeria Wozen

Sana Snizard tem medo dos helicópteros e das bombas, Roman quer a família reunida, Arsyan quer ser jogador de futebol. São os medos, sonhos e esperanças de crianças refugiadas desenhados e expostos em Lisboa. "Traços de uma infância" é o título da exposição, até dia 12 na Galeria Wozen, organizada pelo projeto Drawfugees e que consiste em desenhos de crianças refugiadas, com a foto do autor e a explicação do mesmo, feitos na Grécia, onde chegaram de países como a Síria, o Iraque e a Afeganistão.

O desenho era a melhor forma de comunicar quando as crianças tinham acabado de chegar, o desenho surgiu da relação com essas crianças, explicou à Lusa Sofia Perpétua, uma das responsáveis pela exposição.

Mas foi da cabeça de André Naddeo, um jornalista brasileiro, que tudo surgiu. Naddeo, como explicou à Lusa, fez o que chamou "jornalismo voluntário", primeiro durante 45 dias no porto de Pireu, na Grécia, onde no ano passado chegaram milhares de refugiados, e depois nas ruas de Atenas, por onde muitos outros refugiados se espalharam, ocupando lugares vagos, casas abandonadas ou vazias.

"Foi para mim a maneira mais justa de cobrir a maior crise humanitária depois da segunda guerra. A missão da Drawfugees passa por dar voz a essas crianças dando-lhe canetas e lápis para elas se expressarem", explicou.

Com essas crianças, com as suas famílias, acabou por criar uma relação de confiança. Todos os desenhos que expõe a partir de hoje em Lisboa, todas as fotografias, tiveram a anuência das famílias, com quem aliás, disse, mantém uma ligação.

Como a família de Sana Snizard, uma menina afegã de seis anos que desenhou um helicóptero norte-americano a bombardear-lhe a casa, ela triste a ter de deixar o país.

Roman Snizard, com 14 e hoje na Alemanha com o irmão mais velho, deseja ver chegar a irmã Sana e o resto da família, ainda no campo de refugiados de Eleonas, em Atenas.

"A minha terra era tão bonita, tínhamos tudo o que precisávamos", escreveu Roman, que desenhou também uma casa e hum helicóptero a largar bombas.

Aos meninos de Pireu não lhe foi pedido nada em relação ao desenho mas aos de Atenas Naddeo pediu um desenho sobre o que queriam ser no futuro.

E Naddeo aponta para Arsyan Siloo, um menino iraquiano de nove anos que quer ser jogador de futebol por causa de Cristiano Ronaldo. "Eu e o meu pai adoramos vê-lo jogar, é tão inspirador".

Arsyan é de origem yazidi, uma comunidade religiosa do norte do Iraque. A sua aldeia foi ocupada pelo grupo terrorista Estado Islâmico e com a família teve de fugir pelas montanhas ao norte de Sinjar, no Iraque. Viveu mais de um ano num campo de refugiados e está hoje com os pais e os três irmãos na Alemanha.

São ao todo mais de duas dezenas de desenhos, com histórias, como a de Aoumar Mazan, um menino sírio de nove anos a viver com a mãe e dois irmãos num campo de refugiados de Atenas e que quer ser motorista porque era esse o trabalho do seu pai.

Como o desenho de Argan, o menino afegão que não vai esquecer-se da viagem de barco da Turquia para a Grécia.A todos, os meninos e meninas, as histórias, as esperanças, os desejos e os medos, André Naddeo trouxe a Lisboa, até dia 12.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.