sicnot

Perfil

País

Funcionários das escolas hoje em greve

(Arquivo)

Francisco Seco / AP

Os funcionários das escolas fazem hoje greve para exigir, entre outros aspetos, a negociação da criação de uma carreira especial, mas também mais recursos humanos nas escolas, com os sindicatos a estimarem uma carência de no mínimo 2.000 auxiliares.

A Federação Nacional de Educação (FNE), que para além de docentes também representa funcionários escolares, entregou o pré-aviso de greve a 19 de janeiro, um protesto também apoiado pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS) e pela Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP).

Um dos problemas ao qual os sindicatos querem que a tutela dê resposta é a substituição de funcionários com contratos emprego-inserção (CEI) e 'tarefeiros' pagos à hora, por valores que rondam os 3,5 euros/hora, por funcionários com formação adequada à função que desempenham na escola, e com um vínculo permanente.

Querem também negociar carreiras especiais, descongelar progressões na função pública, rever os rácios para atribuição de recursos humanos às escolas e ver a descentralização de competências para as autarquias esclarecida.

Na quarta-feira, o presidente da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas, Artur Sequeira, disse esperar uma "grande adesão" à greve dos trabalhadores não docentes das escolas e apelou às direções para não substituírem os grevistas.

Anteriormente, numa conferência de imprensa conjunta, FNE e FESAP estimarem que muitas escolas iriam encerrar devido à greve de hoje, por haver muitos funcionários descontentes e insatisfeitos com as condições de trabalho.

Na quinta-feira, na conferência de imprensa do Conselho de Ministros, depois de questionado pelos jornalistas, o ministro da Educação admitiu ser preciso reforçar ainda mais o pessoal não docente nas escolas, porque apesar de tecnicamente os assistentes operacionais serem em número adequado é necessário dar resposta ao problema das muitas baixas médicas.

Lusa

  • Presidente catalão garante ter plano de contingência
    2:14
  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • Subimos ao novo miradouro no pilar da Ponte 25 de Abril
    2:06
  • Uber perde licença para operar em Londres

    Economia

    O regulador de transporte de Londres decidiu hoje que vai retirar à Uber a licença para operar na capital britânica. A proibição entra em vigor no final deste mês e vai afetar 40 mil motoristas da empresa multinacional norte-americana.

  • 60 sobreviventes resgatados dos escombros no México
    1:21