sicnot

Perfil

País

O país que decida. Marcelo falou demais?

MIGUEL A. LOPES

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

Não é a primeira vez que as declarações do Presidente da República geram controvérsia. Marcelo anunciou a decisão da Fitch sobre Portugal antes mesmo da agência se pronunciar. A discussão ferve nas redes sociais.

Marcelo quis ser ele a anunciar ao país as "boas notícias": a manutenção do 'rating' pela agência Fitch.O problema é que falou furando todas as regras: antes da própria agência de notação se pronunciar e numa altura em que os mercados ainda estavam a funcionar. Razões suficientes para se instalar a polémica.

No Twitter por exemplo são várias as críticas a actuação/declaração do Presidente. Em mútiplos tweets questiona-se em que qualidade estava Marcelo a falar: como chefe de Estado, ex-comentador político ou "amigo" do Governo?

A correspondente do Wall Street Journal em Lisboa foi das primeiras a pronunciar-se no Twitter sobre o assunto. A sua estranheza é óbvia: "Presidente português diz que a Fitch mantém o rating, antes do anúncio da agência e enquanto os mercados ainda estão abertos". No mesmo sentido, o comentador Pedro Adão e Silva escreve na mesma rede social que "este anúncio prematuro do rating da Fitch vai fazer companhia à ida à Cornucópia no ranking de momentos baixos de Marcelo". E até há quem sugira que "com o Marcelo a substituir-se à LUSA", o Estado "vai poupar".

Pelo contrário, em defesa do PR, foi criada um claim: "Marcelo é fitch". O embaixador Francisco Seixas da Costa é um dos que sublinha o apoio à intervenção presidencial. Num tweet que foi partilhado pela eurodeputada Ana Gomes, Seixas da Costa usa da ironia ao escrever que "a Fitch, um conhecido cúmplice esquerdalho da Geringonça" tomou uma decisão que estraga o fim de semana a "uma certa direita".

Nem de propósito, no blog de direita "Blasfémias" não se poupam nas palavras, ou melhor nas críticas. Marcelo é apelidado de "incontinente". No texto assinado por "rui a." escreve-se que "não se consegue perceber se, nesta notícia sobre a manutenção do raiting da dívida portuguesa pela Fitch, Marcelo Rebelo de Sousa age como representante da agência, que não nos parece que seja, se como porta-voz do governo, o que julgamos que ainda não é, ou se como fazedor de factos políticos, que pensávamos que já não era. Como Presidente da República é que seguramente não foi."

O país que decida: Marcelo falou demais? Não foi a primeira vez e certamente não será a última.

  • Fitch mantém nível de "lixo" para Portugal

    Economia

    A Fitch mantém a dívida portuguesa num nível de alto risco a que chama de lixo e sem perspetiva de subir. Numa nota divulgada esta sexta-feira, a agência de notação sublinha que o Governo aplicou uma estratégia de contenção de despesa "muito rigorosa" o que permitiu cumprir a meta do défice.

  • Marcelo considera que rating da Fitch a Portugal é uma boa notícia
    2:16

    Economia

    Apesar de o país estar no nível considerado lixo, Marcelo Rebelo de Sousa defende que essa é uma boa notícia para o país. O Presidente da República antecipou-se à Fitch e, ainda antes dos dados serem conhecidos publicamente, afirmou que a agência de notação financeira vai manter o rating Portugal na mesma.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.