sicnot

Perfil

País

Uso medicinal e recreativo da cannabis devem ser tratados de formas diferentes

Planta de canábis

© Alessandro Bianchi / Reuters

O presidente do Serviço de Intervenção dos Comportamento Aditivos e Dependências (SICAD) considera que o uso terapêutico da cannabis e o seu uso recreativo são duas questões distintas e que devem ser tratadas separadamente.

"Estão a introduzir-se duas questões que devem ser totalmente separadas", afirmou aos jornalistas João Goulão, numa reação à intenção do Bloco de Esquerda de avançar este ano com um novo projeto-lei para legalizar a 'cannabis' com fins terapêuticos por um lado e recreativos por outro.

O presidente do SICAD e perito na área da toxicodependência afirma não ter reservas quanto à legalização da cannabis para fins terapêuticos, mas lembra que é matéria para ser tratada por médicos e autoridades da área do medicamento e produtos de saúde.

Já quanto à legalização para fins recreativos, Goulão diz que o debate é legítimo mas não é urgente, sendo preferível esperar pelos resultados de outros países que estão a começar a aplicar a medida.

"Não temos a premência de mudar a todo o custo porque sim ou porque é moderno", afirmou o presidente do SICAD , aconselhando a que se aguarde por resultados das experiências internacionais.

Hoje o jornal Público escreve que o Bloco de Esquerda avança ainda este ano com iniciativas para legalizar a cannabis quer para uso terapêutico como para uso recreativo.

A cannabis com fins medicinais pode ter impacto nomeadamente no alívio da dor em doenças prolongadas, como as oncológicas.

Lusa

  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16