sicnot

Perfil

País

Almaraz poderá ser a próxima se Madrid renovar licença de Garoña

O Conselho de Segurança Nuclear (CSN) de Espanha deu esta quarta-feira parecer positivo à reabertura da Central Nuclear de Garoña, em Burgos, cuja atividade estava suspensa desde 2012 por questões de segurança. O parecer do CSN é visto como a abertura de um precedente histórico para que uma central nuclear continue a funcionar além dos 40 anos de exploração.

Última atualização 9/2/2017, às 11:25

Almaraz poderá ser a próxima, se Madrid renovar a licença de Garoña após parecer positivo do Conselho de Segurança Nuclear

O Conselho de Segurança Nuclear (CSN) de Espanha deu esta quarta-feira um parecer positivo condicionado à reabertura da Central Nuclear de Santa Maria de Garoña, em Burgos, cuja atividade estava suspensa desde 2012 por questões de segurança.

O parecer do CSN é visto como a abertura de um precedente histórico para que uma central nuclear continue a funcionar para além dos 40 anos de exploração. Todos os grupos parlamentares da oposição já se manifestaram contra a reabertura. Tal como a Greenpeace que exige que o ministro da energia "jogue limpo" e não amplie a vida das centrais nucleares espanholas sem participação democrática e um amplo debate público.

O pedido para a reabertura da central foi entregue em 2015 pelas duas principais acionistas, a Endesa e a Iberdrola.

A decisão final será do Governo espanhol e, se for positiva, poderá abrir caminho para o prolongamento de vida da central nuclear de Almaraz, propriedade da Iberdrola, Endesa e Gas Natural Fenosa, na província de Cáceres, a cerca de 100 quilómetros da fronteira com Portugal.

Em Almaraz quem trabalha na central nuclear recebeu a notícia do parecer positivo do CSN em relação a Garoña com satisfação e espera que o Ministério da Energia espanhol decida favoravelmente agora e no futuro, quando as acionistas da central de Almaraz solicitarem o prolongamento da licença após 2020.

As empresas poderão solicitar esse prolongamento a partir de junho de 2017 e já manifestaram interesse em fazê-lo.


Carla Castelo - Jornalista SIC
Em Almaraz

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26