sicnot

Perfil

País

Bloco de Esquerda questiona Governo sobre alegada violência policial na Amadora

O Bloco de Esquerda (BE) questionou o Ministério da Administração Interna sobre a alegada violência policial a moradores, na terça-feira, durante a demolição de habitações e despejos no Bairro 6 de Maio, na Amadora, anunciou hoje o grupo parlamentar.

Numa pergunta endereçada através do presidente da Assembleia da República, o BE questiona o ministério se confirma "a agressão a um dos moradores do Bairro 6 de Maio", na sequência da demolição da sua habitação, e que medidas serão adotadas para "assegurar que mais agressões deste tipo não têm lugar".

No documento questiona ainda se o Governo considera graves "as consequências das demolições ordenadas pela Câmara Municipal da Amadora, designadamente a ausência de alternativas que estes despejos consubstanciam" e que ações podem ser concretizadas "para dar resposta à situação gravíssima em que se encontram as famílias despejadas".

Segundo o BE, a autarquia ordenou a demolição de um conjunto de habitações, aumentando "o número de despejos sem alternativa" promovido nos últimos meses, "e que muito tem agravado a situação das múltiplas famílias daquele bairro" na Damaia.

De acordo com informação transmitida ao grupo parlamentar, "nenhuma das famílias cuja habitação foi demolida foi previamente alertada", tendo sido surpreendidas no período de almoço pela Polícia Municipal, que lhes ordenou que abandonassem a sua casa para que fosse demolida.

Um morador, que viu a sua habitação demolida, "foi agredido por agentes da Polícia de Segurança Pública", enquanto dialogava com elementos da Polícia Municipal, o que configura "uma clara manifestação de recurso desnecessário e desproporcional da força policial", considera o BE.

A pergunta parlamentar surgiu na sequência da denúncia da associação Habita, na terça-feira, da agressão policial a um morador, enquanto a PSP contrapôs que foi o habitante que agrediu três agentes.

O comandante da Divisão da Amadora da PSP afirmou que o morador do Bairro 6 de Maio "agrediu violentamente três polícias e foi detido", acrescentando que os agentes foram encaminhados para "observação" no hospital Amadora-Sintra.

A Câmara da Amadora esclareceu, por seu lado, que procedeu à "demolição de quatro construções degradadas" no Bairro 6 de Maio, bem como de "um anexo referenciado como local utilizado para práticas ilícitas".

A autarquia informou que as famílias das construções demolidas já foram realojadas em habitação social, apresentam residência no parque habitacional privado ou têm alternativas habitacionais.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. Esta madrugada em Cambrils, cinco suspeitos foram abatidos e outra pessoa acabou por morrer, num segundo ataque. Há quatro detenções confirmadas. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Autoridades acreditam que suspeito do ataque nas Ramblas pertence a célula terrorista
    1:36
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42