sicnot

Perfil

País

Morte de bebé no Hospital da Guarda vai ser investigada

Morte de bebé no Hospital da Guarda vai ser investigada

O presidente do Conselho de Administração do Hospital da Guarda afirmou, esta manhã, que será iniciado na segunda-feira um inquérito para apurar factos e "eventuais responsabilidades" no caso de uma grávida que perdeu o bebé depois de esperar mais de uma hora para ser observada por um obstetra. Carlos Rodrigues explicou que "o atraso ou não (do médico) vai ser objeto de investigação". A morte da bebé, ocorrida ontem, vai ser investigada pela Administração Regional de Saúde.

O resultado do inquérito preliminar revelou que a mãe, uma gestante de 39 anos, deu entrada às 09:30 no Hospital com perdas de sangue "pouco significativas".

Depois de feita uma ecografia fetal onde se confirmou a morte da primeira filha do casal, a mulher foi encaminhada para o bloco operatório onde foi submetida a uma cesariana.

O Conselho de Administração da unidade hospitalar considera "prematuro" quaisquer juizos de valor sobre o assunto.

O inquérito, que terá início na próxima semana, vai ser levado a cabo por três especialistas de obstetrícia e um jurista externos ao hospital.

O caso aconteceu na quinta-feira e foi noticiado esta manhã pelo Jornal de Notícias. O corpo da bebé vai seguir para o Instituto de Medicina Legal do Porto.

  • Grávida perde bebé enquanto esperava por obstetra no Hospital da Guarda

    País

    Uma grávida perdeu o bebé depois de ter estado à espera para ser atendida nas urgências do Hospital da Guarda. A mulher, de 39 anos, entrou no serviço de obstetrícia com perdas de sangue. Foi acompanhada por enfermeiros na triagem mas o médico, que se encontrava no hospital, só terá respondido à emergência hora e meia depois.

  • Junta de Santa Maria Maior no centro de Lisboa contra despejos de idosos
    3:02
  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.